Duarte, "O Conquistador"!

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida de 9 de agosto, no Campo Pequeno

Quinta-feira (dia 9), no Campo Pequeno, Duarte Pinto chegou e disse: "Estou aqui!". O Duarte é um cavaleiro que merece todas as oportunidades do mundo por parte das empresas e nós, aficionados, precisamos do seu toureio nas arenas. Espero que quem viu o contrate. Quem não o viu, no Campo Pequeno, que acredite no relatou da corrida, porque o triunfo foi simplesmente histórico.

Os toiros de Vale de Sorraia transmitiram, impuseram seriedade e verdade, emoção, no ano da sua estreia com uma corrida completa na arena lisboeta e também no ano da comemoração dos 70 anos da ganadaria. O segundo foi um toiro fantástico e bravo, o primeiro teve classe e codícia, o sexto foi um toiro para o êxito. Mansote foi o quinto, nobre e a transmitir o quarto. Pediram contas, exigiram. E os seis cavaleiros estiveram à altura das circunstâncias. Os ganaderos foram premiados com a volta à arena no sexto da corrida, mas também o poderiam ter sido no segundo.

Andrés Romero, entusiasmando em sortes que tiveram muito mais de arte de rejoneo do que propriamente de risco, teve uma lide de menos a mais. Foi variada em tudo, desde os ferros com acerto aos mais aliviados e até nalguns toques nas montadas.

David Gomes marcou, desde o início, com distinção, demonstrando que ia ali sem meias tintas, com clareza e com decisão. Os ferros compridos, pena a falha da colocação da sorte gaiola, deram o mote ao triunfo, citando de largo, dando prioridade aos toiros, aguentando e reunindo com verdade. Curtos de grande nível, em que sobressaíram as sortes frontais, pisando terrenos de compromisso, rematando as sortes com o temple e a arte. O público reagiu com vibrantes e calorosas ovações.

Rui Salvador impressionou pelas garras, pela ambição, pelo profissionalismo e pela sede de triunfo que, trinta anos depois, continuam a ser apanágio de cada atuação. Ficam na memória os grandes ferros curtos, aqueles que ontem mais fizeram lembrar o grande Salvador dos "ferros impossíveis" de antigamente.

Brito Paes desenhou uma lide de grande seriedade, com ferros curtos de imensa verdade. Resultou emotiva pelo que arriscou e porfiou, valendo-se da sua experiência e das suas excelentes montadas.

Manuel Telles voltou ontem a dar um importante sinal de alerta - como o deram já outros novos cavaleiros, casos de Moura, de Caetano. O Manel esteve acertado, empenhado, toureou com arte e arriscou em terrenos de compromisso, protagonizando momentos em que empolgou mesmo os presentes, sobretudo nos curtos. Uma lide diversificada e de elevado nível artístico.

Parecia que estávamos sentados num anfiteatro, a assistir à lição solene de toureio a cavalo. A atuação de Duarte Pinto, foi um compêndio - oxalá fique registada para ser mostrada aos mais novos - de como se deve tourear a cavalo. Tudo foi perfeito. Tudo foi um desenrolar de saber, de maestria, de bom gosto, também, e de saber estar em praça. Tudo foi harmonia, classe, temple, arte, imensa arte. Infinita.

Esteve que nem um Senhor a receber o toiro, mostrando logo que estava, e ia estar até ao fim, senhor da situação. Dois compridos de poder a poder, dobrando-se na cara do toiro, rematando com suavidade e poderio. Nos curtos foi um assombro de maestria, lidando, colocando, citando, aguentando, quarteando-se, cravando de alto a baixo, "en su sítio", sem falhas, com a classe do seu classicismo, sem passagens em falso, sem tempos mortos. Foi, não tenho dúvidas, a grande atuação desta temporada no Campo Pequeno.

Novamente três grupos de forcados pisaram a arena de Lisboa para baterem as palmas aos Sorraias, Montijo, Moura.

Pega rija e dura, bem executada, à segunda tentativa por João Paulo Damásio dos Amadores do Montijo a abrir a noite.

Gonçalo Borges consumou ao primeiro intento pelos Amadores do Real de Moura. Soube mandar na investida do toiro, fechando-se com decisão.

George Martins Júnior, pelos Amadores de Turlock, esteve bem a citar, poderoso a recuar, reuniu com decisão e grande impacto, aguentando os derrotes ao primeiro intento.

João Pedro Suíças, pelos do Montijo, bem à primeira tentativa. O forcado esteve bem na cara do toiro, fechou-se com galhardia e os companheiros estiveram bem a ajudar.

Rui Branquinho, do Real Grupo de Moura, concretizou pega à terceira tentativa, com uma excelente primeira ajuda.

Steve Camboia, dos Amadores de Turlock, à primeira tentativa numa pega que fechou com chave de ouro esta corrida de homenagem ao emigrante.

Dirigiu a corrida Tiago Tavares, assessorado pelo médico veterinário Moreira da Silva.

Síntese da corrida:

Toiros: Vale de Sorraia bem apresentados e de grande comportamento. Destaque para o segundo e o sexto, no qual os ganaderos António Ribeiro Telles e Manuel Ribeiro Telles deram volta à arena.

Cavaleiros: Andrès Romero, que confirmava a alternativa (Volta); David Gomes, que confirmava a alternativa (Volta); Rui Salvador (Volta); Brito Paes (Volta); Manuel Telles Bastos (Volta); Duarte Pinto (Volta)

Forcados: Amadores de Montijo, Moura e Turlock todos os forcados da cara deram voltas merecidas e aplaudidas à arena.

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.