Divulgada foto íntima de Asia Argento com jovem que a acusa de abuso sexual

A fotografia íntima mostra a italiana com o ator que a acusa de assédio sexual. Na altura, ela tinha 37 anos e ele 17.

"Nunca tive qualquer relação sexual com Jimmy Bennett." A garantia foi dada nesta semana pela atriz italiana Asia Argento, de 42 anos, que está a ser acusada de agressão sexual pelo ator que na altura era menor de idade. Mas a polémica está longe de terminar. Nesta quarta-feira foi divulgada uma foto íntima da italiana com Bennet quando ele tinha 17 anos e ela 37.

A imagem, na qual vemos a atriz deitada ao lado do ator, que agora tem 22 anos, foi publicada pelo site norte-americano TMZ. De acordo com a publicação online, a foto foi tirada num quarto do Hotel Marina del Rey, na Califórnia, em 2013, quando o ator era menor de idade. Neste estado a idade legal para o consentimento são os 18 anos.

Argento é uma das mulheres que denunciaram ter sido vítimas de abusos sexuais por parte do produtor Harvey Weinstein e foi uma das vozes mais relevantes do movimento #MeToo, mas o jornal The New York Times noticiou no passado dia 19 que a atriz pagou 380 mil dólares (333 mil euros) a Jimmy Bennett, jovem ator e músico que a acusava de assédio. A italiana negou as acusações, mas admitiu que o seu namorado, o chef Anthony Bordain, que se suicidou em junho, fez o pagamento a Bennett com receio "da possível publicidade negativa" que a situação podia desencadear.

Além da foto íntima da atriz, o TMZ divulga ainda uma alegada troca de mensagens entre a atriz e uma amiga. "Fiz sexo com ele e foi estranho. Não sabia que ele era menor até receber a carta", lê-se numa das mensagens referindo-se a uma carta que o jovem ator lhe endereçou a pedir dinheiro.

O departamento da polícia do condado de Los Angeles quer falar com Jimmy Bennet para determinar se há razão para iniciar uma investigação criminal, adianta ainda o site norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.