Divulgada foto íntima de Asia Argento com jovem que a acusa de abuso sexual

A fotografia íntima mostra a italiana com o ator que a acusa de assédio sexual. Na altura, ela tinha 37 anos e ele 17.

"Nunca tive qualquer relação sexual com Jimmy Bennett." A garantia foi dada nesta semana pela atriz italiana Asia Argento, de 42 anos, que está a ser acusada de agressão sexual pelo ator que na altura era menor de idade. Mas a polémica está longe de terminar. Nesta quarta-feira foi divulgada uma foto íntima da italiana com Bennet quando ele tinha 17 anos e ela 37.

A imagem, na qual vemos a atriz deitada ao lado do ator, que agora tem 22 anos, foi publicada pelo site norte-americano TMZ. De acordo com a publicação online, a foto foi tirada num quarto do Hotel Marina del Rey, na Califórnia, em 2013, quando o ator era menor de idade. Neste estado a idade legal para o consentimento são os 18 anos.

Argento é uma das mulheres que denunciaram ter sido vítimas de abusos sexuais por parte do produtor Harvey Weinstein e foi uma das vozes mais relevantes do movimento #MeToo, mas o jornal The New York Times noticiou no passado dia 19 que a atriz pagou 380 mil dólares (333 mil euros) a Jimmy Bennett, jovem ator e músico que a acusava de assédio. A italiana negou as acusações, mas admitiu que o seu namorado, o chef Anthony Bordain, que se suicidou em junho, fez o pagamento a Bennett com receio "da possível publicidade negativa" que a situação podia desencadear.

Além da foto íntima da atriz, o TMZ divulga ainda uma alegada troca de mensagens entre a atriz e uma amiga. "Fiz sexo com ele e foi estranho. Não sabia que ele era menor até receber a carta", lê-se numa das mensagens referindo-se a uma carta que o jovem ator lhe endereçou a pedir dinheiro.

O departamento da polícia do condado de Los Angeles quer falar com Jimmy Bennet para determinar se há razão para iniciar uma investigação criminal, adianta ainda o site norte-americano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.