Divulgada foto íntima de Asia Argento com jovem que a acusa de abuso sexual

A fotografia íntima mostra a italiana com o ator que a acusa de assédio sexual. Na altura, ela tinha 37 anos e ele 17.

"Nunca tive qualquer relação sexual com Jimmy Bennett." A garantia foi dada nesta semana pela atriz italiana Asia Argento, de 42 anos, que está a ser acusada de agressão sexual pelo ator que na altura era menor de idade. Mas a polémica está longe de terminar. Nesta quarta-feira foi divulgada uma foto íntima da italiana com Bennet quando ele tinha 17 anos e ela 37.

A imagem, na qual vemos a atriz deitada ao lado do ator, que agora tem 22 anos, foi publicada pelo site norte-americano TMZ. De acordo com a publicação online, a foto foi tirada num quarto do Hotel Marina del Rey, na Califórnia, em 2013, quando o ator era menor de idade. Neste estado a idade legal para o consentimento são os 18 anos.

Argento é uma das mulheres que denunciaram ter sido vítimas de abusos sexuais por parte do produtor Harvey Weinstein e foi uma das vozes mais relevantes do movimento #MeToo, mas o jornal The New York Times noticiou no passado dia 19 que a atriz pagou 380 mil dólares (333 mil euros) a Jimmy Bennett, jovem ator e músico que a acusava de assédio. A italiana negou as acusações, mas admitiu que o seu namorado, o chef Anthony Bordain, que se suicidou em junho, fez o pagamento a Bennett com receio "da possível publicidade negativa" que a situação podia desencadear.

Além da foto íntima da atriz, o TMZ divulga ainda uma alegada troca de mensagens entre a atriz e uma amiga. "Fiz sexo com ele e foi estranho. Não sabia que ele era menor até receber a carta", lê-se numa das mensagens referindo-se a uma carta que o jovem ator lhe endereçou a pedir dinheiro.

O departamento da polícia do condado de Los Angeles quer falar com Jimmy Bennet para determinar se há razão para iniciar uma investigação criminal, adianta ainda o site norte-americano.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.