Digressão de celebração dos Dead Can Dance tem duas datas em Lisboa

Grupo de Lisa Gerrard e Brendan Perry lançará um álbum novo em novembro, o primeiro desde "Anastasis", de 2011

A digressão de celebração da carreira da dupla Dead Can Dance vai passar por Lisboa, nos dias 23 e 24 de maio do próximo ano, anunciou o grupo que vai lançar novo disco em novembro.

Na página do grupo composto por Lisa Gerrard e Brendan Perry, foram anunciadas as datas da digressão de celebração da vida e carreira do projeto musical, a começar por Rennes, em França, no dia 2 de maio de 2019, até Plovdiv, na Bulgária, em 30 de junho.

O novo disco, intitulado "Dionysus", e já disponível para encomendas na página de Dead Can Dance, é composto por dois atos: o primeiro inclui "Sea Borne", "Liberator of Minds" e "Dance of the Bacchantes", enquanto o segundo é composto por "The Mountain", "The Invocation", "The Forest" e "Psychopomp".

"Dionysus" é o primeiro álbum da dupla desde "Anastasis", de 2011.

Os Dead Can Dance passaram por Portugal em duas ocasiões desde que se reagruparam em 2011, ambas no Porto, na Casa da Música, em 2012, e no Primavera Sound, em 2013.

Antes do concerto no Parque da Cidade do Porto, Brendan Perry disse à Lusa que ele e Lisa Gerrard "nunca" estão "absolutamente na mesma página", ainda que compreendam "qual a direção que a música deve seguir, sem sempre concordar na forma de lá chegar".

"A nossa música é bastante clássica. Não ficou datada pela moda. Pode ir à década de 1980, 1990, 2000, nunca quisemos fazer música que fosse da moda ou daquele tempo, quisemos fazer música da imaginação, da mente, derivada de culturas antigas", disse o músico.

Os bilhetes do concerto, promovido pela Ritmos, vão estar disponíveis a partir de sexta-feira.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?