Digressão de celebração dos Dead Can Dance tem duas datas em Lisboa

Grupo de Lisa Gerrard e Brendan Perry lançará um álbum novo em novembro, o primeiro desde "Anastasis", de 2011

A digressão de celebração da carreira da dupla Dead Can Dance vai passar por Lisboa, nos dias 23 e 24 de maio do próximo ano, anunciou o grupo que vai lançar novo disco em novembro.

Na página do grupo composto por Lisa Gerrard e Brendan Perry, foram anunciadas as datas da digressão de celebração da vida e carreira do projeto musical, a começar por Rennes, em França, no dia 2 de maio de 2019, até Plovdiv, na Bulgária, em 30 de junho.

O novo disco, intitulado "Dionysus", e já disponível para encomendas na página de Dead Can Dance, é composto por dois atos: o primeiro inclui "Sea Borne", "Liberator of Minds" e "Dance of the Bacchantes", enquanto o segundo é composto por "The Mountain", "The Invocation", "The Forest" e "Psychopomp".

"Dionysus" é o primeiro álbum da dupla desde "Anastasis", de 2011.

Os Dead Can Dance passaram por Portugal em duas ocasiões desde que se reagruparam em 2011, ambas no Porto, na Casa da Música, em 2012, e no Primavera Sound, em 2013.

Antes do concerto no Parque da Cidade do Porto, Brendan Perry disse à Lusa que ele e Lisa Gerrard "nunca" estão "absolutamente na mesma página", ainda que compreendam "qual a direção que a música deve seguir, sem sempre concordar na forma de lá chegar".

"A nossa música é bastante clássica. Não ficou datada pela moda. Pode ir à década de 1980, 1990, 2000, nunca quisemos fazer música que fosse da moda ou daquele tempo, quisemos fazer música da imaginação, da mente, derivada de culturas antigas", disse o músico.

Os bilhetes do concerto, promovido pela Ritmos, vão estar disponíveis a partir de sexta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.