Dealema trocam as batidas eletrónicas por músicos reais

Em mais de 20 anos de carreira, os Dealema vão trocar as batidas eletrónicas por músicos a sério. O concerto, marcado para amanhã, 29, inicia a nova curadoria de Maze, um dos membros dos Dealema, no Pérola Negra, no Porto

"Vai ser histórico", garante André Neves ao DN, ao falar da primeira noite Movimento, uma curadoria dedicada ao hip-hop, por si organizada, que terá lugar no recém-reaberto Pérola Negra, um espaço outrora conhecido pelas sessões de striptease e hoje um dos polos da cultura alternativa no Porto.

André não faz a coisa por menos, afinal, neste caso, ele não só é o programador como também um dos protagonistas, pois também faz parte dos Dealema, o grupo convidado para esta sessão inaugural, na qual se vai apresentar, pela primeira vez, na companhia de uma banda. "Foi uma proposta muito pouco comum, da parte do responsável pelo Pérola Negra, o Jonathan Tavares, que me desafiou a ter uma curadoria dedicada ao hip-hop neste espaço recém-reaberto", explica André, a partir de agora apenas chamado de Maze, o nome pelo qual é muito mais conhecido, enquanto membro dos Dealema. Não só aceitou, como de imediato pensou em "abrir com algo em grande, desde há muito era um sonho" para o grupo de que faz parte.

Pioneiro do movimento hip-hop em Portugal e um raro exemplo de longevidade neste universo musical, o quinteto composto por Mundo Segundo, Maze, Fuse, Expeão e DJ Guze vai apresentar-se em palco acompanhado pela Pérola Negra Band, que irá interpretar os beats originais do grupo portuense. Será esta banda, formada em exclusivo para a curadoria, que a partir de agora irá sempre acompanhar os artistas convidados para as noites movimento, cuja periodicidade será bimestral.

"É uma banda composta por músicos muito experientes, cujo núcleo duro é composto por Ricardo Danin na bateria, Bruno Macedo no baixo e na guitarra e Sérgio Alves nos teclados", explica Maze, que no futuro pretende continuar a "trazer essa orgânica da banda ao rap", bem como iniciar as noites com sessões de slam poetry. No final, para a continuar a festa noite fora, haverá também sempre um DJ convidado, que nesta primeira sessão é DJ Glue, antigo membro dos Weasel.

Além de alguns dos temas mais marcantes do longo percurso dos Dealema, o repertório deste primeiro concerto inclui ainda alguns temas a solo dos respetivos elementos, bem como algumas faixas selecionadas em exclusivo para esta atuação. Os arranjos musicais, que transformaram os beats eletrónicos originais em música orgânica, são do Sérgio Alves e, segundo Maze, surpreenderam os próprios Dealema. O mais difícil foi mesmo juntar toda a gente para ensaiar: "Somos cinco e já é difícil só por nós, não só pelas respetivas carreiras, como pelas vidas adultas de cada um, que já inclui família e filhos, quanto mais ainda com uma banda à mistura". Mesmo assim é com "bastante entusiasmo e expetativa" que Maze aguarda o espetáculo: "será um momento único para os Dealema, mas especialmente para os nossos fãs, que nos seguem desde sempre e também querem fazer parte dele, como já se sente na venda de bilhetes", sublinha o MC e produtor.

Dealema - Movimento

Pérola Negra, Porto. 29 de dezembro, sábado 23.30. 10 euros

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.