"Dançar o mundo" no Andanças em Castelo de Vide sem esquecer incêndio de 2016

Cerca de 20 mil pessoas vão "dançar o mundo" no 23.º Festival Andanças, que vai pôr Castelo de Vide (Portalegre) numa roda-viva, a partir de quarta-feira.

"É impossível" pôr "para trás das costas" o incêndio da edição de 2016, que destruiu mais de 400 viaturas estacionadas junto ao recinto do certame, afiançou hoje à agência Lusa Marta Guerreiro, da PédeXumbo, entidade promotora do festival.

Segundo a responsável pela coordenação artística e gestão de projetos da PédeXumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança, foi "um acontecimento" que "marcou todos" os envolvidos no festival, "desde a organização aos participantes".

Mas, por parte da organização e participantes, a edição de 2017 foi recheada de "boa energia", a que a PédeXumbo quer dar continuidade: "Esperamos que esta seja, igualmente, uma edição com uma grande energia."

O 23.º Andanças tem "lugar reservado", durante cinco dias, a partir de quarta-feira e até 5 de agosto, nas imediações da vila alentejana de Castelo de Vide, num recinto junto do Forte de São Roque, tal como no ano passado.

Concertos, oficinas de dança, bailes, atividades para crianças e famílias, performance e teatro, desenvolvimento pessoal, animação de rua, oficinas de instrumentos e passeios são os principais ingredientes do festival.

Pelo evento, atendendo aos números do ano passado, disse à Lusa Marta Guerreiro, deverão passar "cerca de 20 mil pessoas" no conjunto dos cinco dias, com uma previsão de "duas mil pessoas diariamente".

E o público, afirmou, vai ser muito variado. Jovens e famílias, nacionais e estrangeiros, sobretudo espanhóis e, neste ano, "muitos alemães, suíços e pessoas vindas da Europa do Norte", assim como "pessoas que gostam de dançar e outras que não gostam ou que começam" no Andanças.

O convite da organização é para "dançar o mundo", com oficinas e bailes que prometem fazer "viajar" os participantes "ao ritmo dos passos e compassos" de danças do mundo e de Portugal.

Em representação do território nacional estão "os viras minhotos até às chamarritas dos Açores, passando por danças do Alentejo, como as valsas mandadas, ou os fandangos da Estremadura", resumiu a responsável da organização.

Além-fronteiras, a "viagem" abrange danças da Europa, num "itinerário" por Espanha, Bélgica, Itália, França, Roménia ou Bulgária, mas também ritmos de África (kizomba, semba e funaná), América Latina (forro, samba, salsa, tango), América do Norte (swing, lindy-hop e balb), Médio Oriente ou Índia (bollywwod).

Oficinas de danças da Antiguidade Clássica Grega e de Danças Circulares Sagradas são outras das propostas da programação, em que o público "deixa a postura de espectador e participa, aprendendo", referiu a organização.

Propostas musicais e artísticas oriundas de todos os continentes enchem os oito palcos do recinto, mas, para a vila, também estão agendadas atividades, como ateliês e oficinas, para promover a interação com a comunidade local.

O incêndio de 2016, ocorrido a meio da tarde do dia 3 de agosto, a algumas centenas de metros do recinto, surgiu num dos parques de estacionamento e, em menos de três horas, atingiu total ou parcialmente 458 viaturas.

Em fevereiro de 2017, o Ministério Público (MP) arquivou o inquérito instaurado ao caso, por não ter conseguido apurar as circunstâncias concretas em que o fogo ocorreu.

Já neste mês, no dia 5, o advogado Pedro Proença, que representa parte dos lesados, revelou à Lusa ter intentado, nesse dia, uma ação no Tribunal Administrativo e Fiscal de Castelo Branco contra a PédeXumbo, a Câmara de Castelo de Vide e a seguradora do grupo Crédito Agrícola, exigindo uma indemnização de 831 mil euros, em relação à qual as três entidades visadas se manifestaram "serenas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.