"Dançar o mundo" no Andanças em Castelo de Vide sem esquecer incêndio de 2016

Cerca de 20 mil pessoas vão "dançar o mundo" no 23.º Festival Andanças, que vai pôr Castelo de Vide (Portalegre) numa roda-viva, a partir de quarta-feira.

"É impossível" pôr "para trás das costas" o incêndio da edição de 2016, que destruiu mais de 400 viaturas estacionadas junto ao recinto do certame, afiançou hoje à agência Lusa Marta Guerreiro, da PédeXumbo, entidade promotora do festival.

Segundo a responsável pela coordenação artística e gestão de projetos da PédeXumbo - Associação para a Promoção da Música e Dança, foi "um acontecimento" que "marcou todos" os envolvidos no festival, "desde a organização aos participantes".

Mas, por parte da organização e participantes, a edição de 2017 foi recheada de "boa energia", a que a PédeXumbo quer dar continuidade: "Esperamos que esta seja, igualmente, uma edição com uma grande energia."

O 23.º Andanças tem "lugar reservado", durante cinco dias, a partir de quarta-feira e até 5 de agosto, nas imediações da vila alentejana de Castelo de Vide, num recinto junto do Forte de São Roque, tal como no ano passado.

Concertos, oficinas de dança, bailes, atividades para crianças e famílias, performance e teatro, desenvolvimento pessoal, animação de rua, oficinas de instrumentos e passeios são os principais ingredientes do festival.

Pelo evento, atendendo aos números do ano passado, disse à Lusa Marta Guerreiro, deverão passar "cerca de 20 mil pessoas" no conjunto dos cinco dias, com uma previsão de "duas mil pessoas diariamente".

E o público, afirmou, vai ser muito variado. Jovens e famílias, nacionais e estrangeiros, sobretudo espanhóis e, neste ano, "muitos alemães, suíços e pessoas vindas da Europa do Norte", assim como "pessoas que gostam de dançar e outras que não gostam ou que começam" no Andanças.

O convite da organização é para "dançar o mundo", com oficinas e bailes que prometem fazer "viajar" os participantes "ao ritmo dos passos e compassos" de danças do mundo e de Portugal.

Em representação do território nacional estão "os viras minhotos até às chamarritas dos Açores, passando por danças do Alentejo, como as valsas mandadas, ou os fandangos da Estremadura", resumiu a responsável da organização.

Além-fronteiras, a "viagem" abrange danças da Europa, num "itinerário" por Espanha, Bélgica, Itália, França, Roménia ou Bulgária, mas também ritmos de África (kizomba, semba e funaná), América Latina (forro, samba, salsa, tango), América do Norte (swing, lindy-hop e balb), Médio Oriente ou Índia (bollywwod).

Oficinas de danças da Antiguidade Clássica Grega e de Danças Circulares Sagradas são outras das propostas da programação, em que o público "deixa a postura de espectador e participa, aprendendo", referiu a organização.

Propostas musicais e artísticas oriundas de todos os continentes enchem os oito palcos do recinto, mas, para a vila, também estão agendadas atividades, como ateliês e oficinas, para promover a interação com a comunidade local.

O incêndio de 2016, ocorrido a meio da tarde do dia 3 de agosto, a algumas centenas de metros do recinto, surgiu num dos parques de estacionamento e, em menos de três horas, atingiu total ou parcialmente 458 viaturas.

Em fevereiro de 2017, o Ministério Público (MP) arquivou o inquérito instaurado ao caso, por não ter conseguido apurar as circunstâncias concretas em que o fogo ocorreu.

Já neste mês, no dia 5, o advogado Pedro Proença, que representa parte dos lesados, revelou à Lusa ter intentado, nesse dia, uma ação no Tribunal Administrativo e Fiscal de Castelo Branco contra a PédeXumbo, a Câmara de Castelo de Vide e a seguradora do grupo Crédito Agrícola, exigindo uma indemnização de 831 mil euros, em relação à qual as três entidades visadas se manifestaram "serenas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.