Esgotado. Concerto de Michael Bublé já tem data extra

Canadiano atua no Altice Arena a 30 de setembro e 1 de outubro do próximo ano. Cantor voltou aos palcos neste verão depois de uma pausa para acompanhar o filho mais novo, que tem cancro

O concerto do cantor canadiano Michael Bublé na Altice Arena, em Lisboa, para 30 de setembro de 2019, esgotou em 24 horas, tendo a promotora do espetáculo anunciado esta segunda-feira uma data extra para 1 de outubro.

"A nova tournée de Michael Bublé já é um sucesso. As datas da tournée europeia foram colocadas à venda no sábado e em Portugal o concerto esgotou em menos de 24 horas. Devido à elevada procura foi colocada à venda uma data extra - 1 de outubro", refere a promotora Ritmos e Blues, em comunicado, acrescentando que os bilhetes para a nova data já estão à venda.

Michael Bublé, de 43 anos, editou o primeiro álbum, First Dance, em 1996, ainda antes de assinar qualquer acordo com uma editora discográfica.

O primeiro grande êxito surgiu em 2003 com o álbum homónimo, num registo entre a pop e o jazz, revisitando standards e temas pop rock, como Fever, Put Your Head on My Shoulder, Crazy Little Thing Called Love e Kissing a Fool.

Influenciado por Tony Bennett, Frank Sinatra, Dean Martin e Harry Connick Jr., Michael Bublé já vendeu desde então mais de 25 milhões de discos em todo o mundo, e conquistou vários prémios Juno, Emmy e Grammy.

O álbum mais recente de Michael Bublé, Nobody But Me, foi editado em 2016.

Gravado em Los Angeles, nos Estados Unidos, e em Vancouver, no Canadá, Nobody But Me inclui três temas da autoria de Michael Bublé e interpretações de clássicos como My Baby Just Cares For Me, gravado, entre outros, por Nina Simone, God Only knows, de Brian Wilson, ou I Wanna be Around, de Johnny Mercer.

Em agosto, o cantor regressou aos palcos após dois anos de afastamento, por questões familiares.

Michael Bublé anunciou em 2016 que iria fazer uma pausa na carreira, depois do filho mais novo, então com três anos, ter sido diagnosticado com um cancro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.