Cinema romeno reafirma o seu realismo

No panorama mais ou menos rotineiro do mercado de Verão, o destaque vai, esta semana, para um filme vindo da Roménia

Há mais mundos (cinematográficos) para além dos super-heróis... Mesmo se é verdade que esta semana um filme esquemático e despretensioso como Homem-Formiga e a Vespa vem provar que, nestas coisas de aventuras mais ou menos digitais, algum sentido de humor não será coisa secundária. Em qualquer caso, atenção a um título da produção romena, Ana, Meu Amor, e à sua reafirmação de um intransigente realismo.

ANA, MEU AMOR - Pelo menos desde 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, de Cristian Mungiu (Palma de Ouro em Cannes/2007), associamos o cinema da Roménia a uma intensa, não poucas vezes perturbante, energia realista. Assim volta a acontecer nesta realização de Calin Peter Netzer, centrada em dois talentosos atores, Mircea Postelnicu e Diana Cavallioti. Seguimos a existência convulsiva de um casal que, dos tempos da universidade às atribulações conjugais, percorre um caminho marcado pela prática da psicanálise e pelas componentes católicas da sociedade romena.

* * * bom

HOMEM-FORMIGA E A VESPA - Digamos que, entre as muitas produções com chancela Marvel, já vimos francamente pior... Com direcção de Peyton Reed (que, em 2015, já assinara o primeiro Homem-Formiga) as aventuras deste super-herói com dons microscópicos tem, pelo menos, a seu favor um humor sem complexos e também um excelente actor, Paul Rudd, no papel central.

* * com interesse

MARYLINE - Membro da Comédie Française, Guillaume Gallienne assina a sua segunda realização, depois de A Mamã, os Rapazes e Eu (2013), convidando a sua colega Adeline d"Hermy para o papel principal. Trata-se de fazer o retrato amargo e doce de uma jovem do mundo rural que tenta a carreira de actriz em Paris: o filme tem algo de desconjuntado, oscilando entre a crónica paródica e o apelo trágico, valendo, sobretudo, pela surpreendente versatilidade da sua protagonista.

* * com interesse

SIBÉRIA - Para sempre deserdado do universo fascinante de Matrix, Keanu Reeves continua a tentar a sua sorte num registo de policial mais ou menos televisivo, neste caso interpretando um negociante de diamantes que viaja até à Rússia para tentar encontrar o sócio desaparecido... Esquemático, previsível, não mais que um incidente do Verão cinematográfico.

o mau

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.