"Celeste Rodrigues era uma espécie de pulso do fado"

O realizador Bruno de Almeida recorda a fadista que filmou no curto Fado Celeste, com Carminho, Camané, Gisela João ou Aldina Duarte. Celeste Rodrigues morreu nesta quarta-feira aos 95 anos

Foi Amália Rodrigues quem, no final dos anos 70, apresentou Celeste, a sua irmã mais nova, ao realizador Bruno de Almeida. Como é que ela era? A pergunta é lançada no dia da morte da fadista, esta quarta-feira, aos 95 anos. "Era incrível. Era uma pessoa cheia de vida, não parava. Quem procurava ir ouvir fado informava-se de onde é que ela estava, era onde as coisas estavam a acontecer nesse dia. Ela era uma espécie de pulso do fado. Toda gente a ouvia. O pulso de Lisboa estava sempre onde ela estivesse. Era discreta, mas muito constante e muito sólida."

Em comum com Amália tinha, segundo o realizador de Amália - Uma Estranha Forma de Vida, "a honestidade e o romantismo". Mas eram bem diferentes uma da outra, como, de resto, as suas vozes. "A Amália era bastante extrovertida e ela era mais tímida. Isso reflete-se muito na maneira de cantar da Celeste, mais contida, mais virada para dentro. Era um cantar muito verdadeiro, muito próprio."

Bruno de Almeida filmou a fadista em Fado Celeste a cantar o tema com o mesmo nome, de Tiago Torres da Silva e Pedro Pinhal. "Mas p'ra não sofrer à toa / Não dou um nome a Lisboa / Só lhe chamo saudade", canta Celeste Rodrigues naquele tributo, pedido pelo Museu do Fado, com Carminho, Camané, Helder Moutinho, Gisela João ou Ricardo Ribeiro a assistir.

"Ajudava muito os músicos mais novos, apoiava, dava conselhos. Foi eleita a avó do fado", ri-se o cineasta. "Era muito divertida, tinha um grande sentido de humor, e viveu em pleno, intensamente."

O cineasta refere ainda o facto de, com cerca de 70 anos de carreira, Celeste Rodrigues ter atravessado "grande parte da história do fado", e em todo esse tempo não ter cantado nunca "coisas em que não acreditasse. Tinha um bom gosto incrível, um reportório muito bom e muito próprio."

Bruno de Almeida recorda ouvir a fadista cantar "muitas coisas da Beira Baixa", que vinham dos seus tempos de menina. "Era das coisas que eu mais gostava de ouvir", diz.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.