Capela em Idanha-a-Nova premiada nos Architizer A+Awards

A Capela de Nossa Senhora de Fátima, situada no campo nacional de atividades escutistas, ganhou três galardões

A capela cujo projeto é da autoria do ateliê Plano Humano Arquitectos competia nos prémios Architizer A+ ao lado de nomes da arquitetura mundial como o Studio Libeskind e Mayu Architects. Chama-se Capela de Nossa Senhora de Fátima e está situada em Idanha-a-Nova, no campo nacional de atividades escutistas.

"Finalista em duas categorias recebeu o prémio do júri e o prémio do público na categoria 'Cultura - Edifícios Religiosos e Memoriais' e o prémio do público na categoria Arquitectura em Madeira, explica, em comunicado, o município de Idanha-a-Nova.

Os Prémios Architizer A+ são promovidos, a nível mundial, numa plataforma online que tem a sua sede em Nova Iorque e visam celebrar e divulgar a melhor arquitetura do ano.

O prémio do júri foi atribuído por um júri composto por nomes ilustres da área da arquitetura, do design e das artes, enquanto o Prémio Votação Popular resultou das escolhas do público que visita o sítio na Internet, numa audiência superior a 400 milhões de pessoas.

A Capela de Nossa Senhora de Fátima foi inaugurada no verão de 2017 e, desde então, tem sido destacada em publicações e prémios nacionais e internacionais de design e arquitetura.

A inspiração para esta construção, dedicada a Nossa Senhora de Fátima, nasceu do âmago da experiência escutista: a vida ao ar livre, o acampamento, a tenda, a sobriedade e simplicidade das construções e estilo de vida.

Também as extremas do edifício, de forma pontiaguda, fazem uma alusão ao lenço escutista, símbolo da promessa e compromisso neste movimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.