Cantora Grace Jones estreia-se em Portugal a 12 de julho no festival Alive

Entre os confirmados estão também Tom Yorke, The Cure, Vampire Weekend, Bob Moses, Bom Iver, The Chemical Brothers, Camané, Carlos Coutinho Vilhena, The Gift, Linda Martíni e Ornatos Violeta.

A cantora jamaicana Grace Jones estreia-se em Portugal a 12 de julho no festival Alive, que se realiza de 11 a 13 daquele mês no passeio marítimo de Algés, concelho de Oeiras, anunciou a organização.

Grace Jones vai atuar no palco Sagres no mesmo dia em que podem ser ouvidos Johnny Marr, Cut Copy, RY X, Tash Sultana e Pip Bloom.

Nascida na Jamaica, Grace Jones foi modelo em Nova Iorque, Estados Unidos, antes de se dedicar à música.

Grace Jones teve o seu primeiro contrato em 1977 e é responsável por vários temas de 'dance club' como "I Need A Man" e a reinvenção do clássico "La Vie En Rose", de Edith Piaf.

Em 1977 lançou os álbuns "Portfolio", em 1978 "Fame" e em 1979 "Muse".

No final dos anos 1970, Grace Jones adaptou um estilo diferente com o género de música "New Wave" e lançou os discos "Warm Leatherette"(1980) e "Nightclubbing" (1981).

A artista ficou ainda conhecida por ter sido diva e musa do pintor e cineasta norte-americano Andy Warhol.

Além das suas múltiplas facetas artísticas, Grace Jones é também conhecida pelos seus papéis no cinema destacando-se pela sua personagem num dos filmes de James Bond "A View to a Kill" em 1985.

Tom Yorke, The Cure, Vampire Weekend, Bob Moses, Bom Iver, The Chemical Brothers, Camané, Carlos Coutinho Vilhena, The Gift, Linda Martíni ou Ornatos Violeta são outros nomes já confirmados no festival Alive.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.