Câmara da Póvoa de Varzim "viola Constituição"

Prótoiro avança com processo no Tribunal contra autarquia e autarca, alegando que a proibição de touradas no concelho é um ataque ao direito à Cultura

A PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia decidiu avançar com uma queixa na Justiça contra a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, o autarca Aires Pereira e todos os que estejam associados à proibição de touradas no concelho.

O autarca social-democrata revelou a sua intenção de acabar com as corridas de toiros na cidade em entrevista à rádio Onda Viva, nesta semana. Questionado sobre o projeto de remodelação da praça de toiros, afirmou que "neste ano serão feitas as duas últimas corridas naquele espaço", que será encerrado para obras em 2019 e durante dois anos, de forma a transformá-lo num recinto coberto multiusos com condições para receber feiras, eventos desportivos e espetáculos culturais. "Para podermos avançar com o projeto tivemos de tomar uma decisão", explicou, acrescentando que "ter que manter instalações que permitissem a realização de corridas de touros, era muito condicionante para a utilização de praticamente 99,9% dos dias do ano daquele equipamento. E, portanto foi tomada esta decisão: não haverá mais na Póvoa de Varzim e naquele espaço, qualquer corrida a partir deste ano".

"A intromissão da autarquia na liberdade dos espetáculos culturais no concelho revela uma postura antidemocrática, uma desclassificação e desrespeito pelos cidadãos poveiros e um ataque feroz à legislação, principalmente, à Constituição da República Portuguesa", reagiu a Prótoiro. Nos termos da Lei, o Estado deve garantir o acesso de todos os cidadãos - se estes assim o quiserem - à cultura. E as touradas estão incluídas nessa categoria, pelo que, de acordo com a associação, se está a incorrer numa violação da Lei.

Refere o n.º 2 do artigo 43º da CRP: "O Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas". O n.º 1 do artigo 73º: "Todos têm direito à educação e à cultura". E os n.º 1 e 2 do artigo 78º: "Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural" e "Incube ao Estado (...) Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum". Também o Decreto-Lei nº 89/2014 define que a "tauromaquia é, nas suas diversas manifestações, parte integrante do património da cultura popular portuguesa".

"É a lei que reconhece a Tauromaquia enquanto manifestação cultural, pelo que o Estado está obrigado a promover e assegurar o acesso dos seus cidadãos à Tauromaquia. Nem os municípios, nem nenhum outro órgão, têm poderes para proibir a cultura, a não ser que vivêssemos numa ditadura", argumenta Hélder Milheiro. "Qualquer decisão tomada no sentido de limitar ou proibir o acesso a um espetáculo cultural é ilegal e inconstitucional", defende ainda o responsável da Prótoiro.

"Esta postura é ainda altamente danosa para a cidade e a região, como bem disse Aires Pereira em 2014: 'Não está em causa se eu gosto ou não de touradas, mas sim o que representam para o município em termos de turismo. É a única praça de raiz ativa no norte do país, não é por acaso que tem imensa procura. Sempre disse que estes espetáculos iam continuar a ser realizados na Póvoa, mesmo respeitando quem tem opinião contrária.'"

A associação diz não entender como o autarca não aprendeu, "com o exemplo de Viana do Castelo, que o poder local não pode impedir a realização de uma atividade cultural". "Com esta tentativa de proibição, o presidente da câmara está a dizer aos poveiros que existem cidadãos de primeira e de segunda", conclui a Prótoiro, justificando assim a decisão de denunciar a falta de transparência política e na defesa dos cidadãos com uma ação na Justiça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.