Câmara da Póvoa de Varzim "viola Constituição"

Prótoiro avança com processo no Tribunal contra autarquia e autarca, alegando que a proibição de touradas no concelho é um ataque ao direito à Cultura

A PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia decidiu avançar com uma queixa na Justiça contra a Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, o autarca Aires Pereira e todos os que estejam associados à proibição de touradas no concelho.

O autarca social-democrata revelou a sua intenção de acabar com as corridas de toiros na cidade em entrevista à rádio Onda Viva, nesta semana. Questionado sobre o projeto de remodelação da praça de toiros, afirmou que "neste ano serão feitas as duas últimas corridas naquele espaço", que será encerrado para obras em 2019 e durante dois anos, de forma a transformá-lo num recinto coberto multiusos com condições para receber feiras, eventos desportivos e espetáculos culturais. "Para podermos avançar com o projeto tivemos de tomar uma decisão", explicou, acrescentando que "ter que manter instalações que permitissem a realização de corridas de touros, era muito condicionante para a utilização de praticamente 99,9% dos dias do ano daquele equipamento. E, portanto foi tomada esta decisão: não haverá mais na Póvoa de Varzim e naquele espaço, qualquer corrida a partir deste ano".

"A intromissão da autarquia na liberdade dos espetáculos culturais no concelho revela uma postura antidemocrática, uma desclassificação e desrespeito pelos cidadãos poveiros e um ataque feroz à legislação, principalmente, à Constituição da República Portuguesa", reagiu a Prótoiro. Nos termos da Lei, o Estado deve garantir o acesso de todos os cidadãos - se estes assim o quiserem - à cultura. E as touradas estão incluídas nessa categoria, pelo que, de acordo com a associação, se está a incorrer numa violação da Lei.

Refere o n.º 2 do artigo 43º da CRP: "O Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas". O n.º 1 do artigo 73º: "Todos têm direito à educação e à cultura". E os n.º 1 e 2 do artigo 78º: "Todos têm direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural" e "Incube ao Estado (...) Promover a salvaguarda e a valorização do património cultural, tornando-o elemento vivificador da identidade cultural comum". Também o Decreto-Lei nº 89/2014 define que a "tauromaquia é, nas suas diversas manifestações, parte integrante do património da cultura popular portuguesa".

"É a lei que reconhece a Tauromaquia enquanto manifestação cultural, pelo que o Estado está obrigado a promover e assegurar o acesso dos seus cidadãos à Tauromaquia. Nem os municípios, nem nenhum outro órgão, têm poderes para proibir a cultura, a não ser que vivêssemos numa ditadura", argumenta Hélder Milheiro. "Qualquer decisão tomada no sentido de limitar ou proibir o acesso a um espetáculo cultural é ilegal e inconstitucional", defende ainda o responsável da Prótoiro.

"Esta postura é ainda altamente danosa para a cidade e a região, como bem disse Aires Pereira em 2014: 'Não está em causa se eu gosto ou não de touradas, mas sim o que representam para o município em termos de turismo. É a única praça de raiz ativa no norte do país, não é por acaso que tem imensa procura. Sempre disse que estes espetáculos iam continuar a ser realizados na Póvoa, mesmo respeitando quem tem opinião contrária.'"

A associação diz não entender como o autarca não aprendeu, "com o exemplo de Viana do Castelo, que o poder local não pode impedir a realização de uma atividade cultural". "Com esta tentativa de proibição, o presidente da câmara está a dizer aos poveiros que existem cidadãos de primeira e de segunda", conclui a Prótoiro, justificando assim a decisão de denunciar a falta de transparência política e na defesa dos cidadãos com uma ação na Justiça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.