Camané canta na Basílica de Santo António na noite de quarta-feira

Camané canta na Basílica de Santo António, em Lisboa, no dia 15, no encerramento das comemorações do 827.º aniversário do nascimento de Fernando de Bulhões.

Para assistir ao concerto, às 21:30, é preciso levantar os ingressos antecipadamente, pois só assim os espetadores garantirão lugares sentados. Camané será acompanhado pelos três músicos que habitualmente tocam com ele: José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Carlos Manuel Proença (viola) e Paulo Paz (contrabaixo).

As comemorações dos 827 anos do nascimento de Santo António são promovidas pelo Museu de Lisboa - Santo António e começam na terça-feira com uma visita guiada à exposição Nos Passos de Santo António - Uma Viagem de Cadilhe, no museu ao lado da Basílica. Às 21:30, será exibido o filme A Canção de Lisboa, de Cottinelli Telmo, com Beatriz Costa, Vasco Santana e António Silva, no Largo de Santo António.

Na quarta-feira, haverá duas visitas guiadas. Às 11:30 será a vez do Museu de Santo António e às 17:00 à exposição A Procissão de António em Lisboa, na galeria municipal do Largo de São Julião.

Camané nasceu em Oeiras em 1966 numa família em que o fado era uma presença permanente. Irmão mais velho dos fadistas Helder Moutinho e Pedro Moutinho, Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos era uma criança quando se ofereceu para cantar um fado de Fernando Maurício, no restaurante Cesária, em Alcântara. Aos onze anos participou pela primeira vez na Grande Noite do Fado, que veio a vencer dois anos depois, em 1979. A partir daí, nunca mais parou de cantar, não apenas em casas de fado mas também em grandes salas. O cd mais recente, de 2017, é preenchido por fados de Alfredo Marceneiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.