Camané canta na Basílica de Santo António na noite de quarta-feira

Camané canta na Basílica de Santo António, em Lisboa, no dia 15, no encerramento das comemorações do 827.º aniversário do nascimento de Fernando de Bulhões.

Para assistir ao concerto, às 21:30, é preciso levantar os ingressos antecipadamente, pois só assim os espetadores garantirão lugares sentados. Camané será acompanhado pelos três músicos que habitualmente tocam com ele: José Manuel Neto (guitarra portuguesa), Carlos Manuel Proença (viola) e Paulo Paz (contrabaixo).

As comemorações dos 827 anos do nascimento de Santo António são promovidas pelo Museu de Lisboa - Santo António e começam na terça-feira com uma visita guiada à exposição Nos Passos de Santo António - Uma Viagem de Cadilhe, no museu ao lado da Basílica. Às 21:30, será exibido o filme A Canção de Lisboa, de Cottinelli Telmo, com Beatriz Costa, Vasco Santana e António Silva, no Largo de Santo António.

Na quarta-feira, haverá duas visitas guiadas. Às 11:30 será a vez do Museu de Santo António e às 17:00 à exposição A Procissão de António em Lisboa, na galeria municipal do Largo de São Julião.

Camané nasceu em Oeiras em 1966 numa família em que o fado era uma presença permanente. Irmão mais velho dos fadistas Helder Moutinho e Pedro Moutinho, Carlos Manuel Moutinho Paiva dos Santos era uma criança quando se ofereceu para cantar um fado de Fernando Maurício, no restaurante Cesária, em Alcântara. Aos onze anos participou pela primeira vez na Grande Noite do Fado, que veio a vencer dois anos depois, em 1979. A partir daí, nunca mais parou de cantar, não apenas em casas de fado mas também em grandes salas. O cd mais recente, de 2017, é preenchido por fados de Alfredo Marceneiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.