Calvin Esparguete: este não é "mais um livro de gatinhos"

Filomena Lança decidiu colocar em livro as aventuras do seu gato de estimação.

O Calvin é um gato cinzento, gordo e muito independente, que gosta de fugir de casa e de passear pelas ruas de Lisboa. A sua dona, a jornalista Filomena Lança, decidiu contar a sua história num livro, Cavin Esparguete: Diário de um gato citadino. Uma história contada na primeira pessoa, num exercício divertido: o que é que um gato pensaria disto tudo?

- O Calvin Esparguete existe mesmo. Fale-me um pouco dele, como chegou à vossa casa e qual o seu temperamento.
Existe, de facto. Foi adoptado quando era bebé e foi o último que restou da ninhada porque tinha a cauda torta, como se se tivesse partido, e por isso não era tão perfeitinho como os outros. A cauda é muito importante para os gatos, que a usam para se equilibrar, mas no caso do Calvin isso nunca lhe trouxe problemas. Desde pequenino que sempre foi muito dado ao disparate e fazia coisas como, ainda bebé, subir a árvores altas e deixar a família horas em suspenso cá em baixo a achar que ele nunca iria descer e que seria preciso chamar os bombeiros. Ou saltar para uma gaiola presa à parede com um passarinho lá dentro e, calmamente, abrir a porta, comer o pobre do pássaro, tudo sem alarde nenhum e com grande descrição. Creio que a sua característica mais engraçada e que o torna diferente da grande maioria dos gatos, é que ele não tem medo dos humanos, sejam eles conhecidos ou desconhecido. À sua maneira, vai falando com quem encontra na rua e às vezes é ele que se mete com as pessoas,

- Não é muito comum os animais terem dois nomes. De onde vem o nome Calvin Esparguete?
Ninguém se lembra bem. Creio que foi da necessidade de o chamar com mais autoridade quando fazia asneira. Um pouco como os pais fazem com os filhos.

- O Calvin parece ser um gato muito independente. Como é que aprenderam a lidar com isso?
Ele tem 16 anos e por isso já tivemos muito tempo para nos habituar. Sobretudo porque não nos restou grande alternativa. Com uma casa com um jardim nas traseiras e duas crianças, é praticamente impossível mantê-lo em casa se ele não quiser. Quando mudámos para a casa atual, colocámos uma vedação com um arame farpado em cima que ele destruiu quase imediatamente, passando pelo meio dos arames com grande elegância e indiferente à minha irritação, que paguei uma fortuna pelo raio da vedação. Claro que continuamos a preocupar-nos, mas de certa forma habituámo-nos à personalidade dele.

- Não ficam com medo que ele desapareça? Houve alguma aventura dele que tenha sido mesmo perigosa e vos tenha assustado?
Temos medo que ele desapareça, sim. Isso temos sempre. Aliás, houve uma vez, já há uns anos, em que ele desapareceu durante seis meses. Voltou magrinho, com o pêlo bastante maltratado, mas sozinho e pelos seus próprios meios. Um dia nós abrimos a porta de casa de manhã e lá estava ele, deitado no tapete, à nossa espera, como se sempre tivesse andado por ali. Foi uma grande emoção lá em casa.

- Quando e como é que percebeu que as aventuras do vosso gato poderiam ser contadas num livro?
Desde sempre que, em família e aos amigos, contávamos as aventuras do Calvin e eram sempre um sucesso. Comecei por escrevê-las num blog que fiz quando os filhos eram pequenos e depois continuei a conta-las numa página do Facebook que criámos em nome dele. Foi daí que surgiu o convite da editora para passar tudo para o papel.

- Porque optou por contar a história do ponto de vista do Calvin e quais foram as maiores dificuldades desta opção?
A ideia era fazer uma coisa diferente. Um livro que não fosse apenas mais um livro de gatinhos, porque o Calvin merecia mais. E, para mim, foi bastante mais desafiante. Entrar na pele de um gato e pensar e fazer o que ele pensaria e faria se tivesse capacidades para isso. Saiu este Calvin e tenho a certeza que se outra pessoa da família tivesse feito o mesmo exercício, sairia um Calvin diferente. Este é o meu Calvin, como eu o imagino e o sinto.

- Este livro é uma ficção inspirada em factos e pessoas reais. Onde ficam os limites de uma e outra coisa?
Não há grandes limites, na verdade. Estão ali os amigos, a família, a nossa casa, os vizinhos que o acolhem e outras pessoas que nunca conheci, mas que imagino que ele tenha conhecido. Nós temos noção do que ele vai fazendo e por onde anda a partir dos telefonemas das pessoas que o encontram e que nos ligam a avisar de onde ele está e do que o viram a fazer. O resto teve de ser composto com muitos pozinhos de imaginação, naturalmente.

Calvin Esparguete: Diário de um gato citadino
Autora: Filomena Lança
Editora. Dom Quixote
Preço: 11,90 euros

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?