Caetano Veloso e os filhos com novos concertos em Portugal

O músico brasileiro e os filhos Moreno, Zeca e Tom, vão estar em julho em Portugal para seis novos concertos "Ofertório" em cinco cidades, foi hoje anunciado.

Um ano depois de terem esgotado três datas em Portugal, os músicos recuperam o mesmo espetáculo em seis novos concertos em julho: No dia 01 no Coliseu do Porto, no dia 03 no Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz, no dia 05 no Coliseu de Lisboa e no dia 10 no Teatro das Figuras, em Faro.

Destaque ainda para dois concertos que farão, a 07 e 08 de julho, no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, Açores.

Editado já em álbum e DVD ao vivo, "Ofertório" é descrito como uma celebração de Caetano Veloso em família, na qual ele e os três filhos interpretam um repertório transversal a todos.

Num cenário minimalista, com os quatro músicos alinhados a interpretarem sobretudo em voz e violão - e com saídas ocasionais para a boca de palco para uns passos de dança -, são interpretadas canções como "Alegria, Alegria", "Oração ao tempo" e "Força estranha", mas também "Clarão", de Tom Veloso, "Todo o homem", de Zeca Veloso, ou "Um passo à frente", de Moreno Veloso.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.