Museu Britânico devolve ao Iraque peças pilhadas após derrube de Saddam Hussein

Objetos com 5000 anos, saqueados do Iraque após a queda do regime de Saddam Hussein, vão ser devolvidos ao país de origem depois de terem sido identificados por peritos do Museu Britânico , anunciou a instituição.

Os objetos serão formalmente entregues, na sexta-feira, ao embaixador do Iraque no Reino Unido, Salih Husain Ali, que já agradeceu ao Museu Britânico "os esforços excecionais que tem desenvolvido para devolver as antiguidades pilhadas no Iraque".

Oito pequenos objetos apreendidos em maio de 2003 pela polícia londrina a um vendedor local, que não dispunha de documentação sobre a proveniência das peças, foram confiados a peritos do Museu Britânico que determinaram provirem de Tello, no sul do Iraque, onde o museu coordena um programa de escavações.

Muitos desses objetos, entre os quais três cones de argila com inscrições cuneiformes, indicam tratar-se de peças provenientes de um templo da cidade suméria de Girsu, atualmente designada como Tello.

Um pequeno amuleto de mármore branco representando um quadrúpede, um bloco de mármore vermelho com dois animais de quatro patas, um bloco de calcedónia gravado, uma pequena cabeça de clava em alabastro e um seixo polido gravado com escrita cuneiforme constam dos objetos encontrados.

"Esta colaboração entre o Iraque e o Reino Unido é vital para a preservação do património iraquiano", disse o embaixador do Iraque no Reino Unido, Salih Husain Ali, citado pelo museu.

Para o diretor do Museu Britânico, Hartwig Fischer, o regresso das peças ao Iraque "simboliza as muito sólidas relações de trabalho com os colegas iraquianos encetadas nos últimos anos".

Há muito que o Museu Britânico está empenhado na salvaguarda dos tesouros da história iraquiana. Já em 2003 advertira contra a pilhagem do património cultural do país e, em 2015, lançou um programa para formar peritos iraquianos nas mais recentes tecnologias de modo a estes poderem conservar e documentar a sua herança cultural.

Presidente do Iraque de 16 de julho de 1979 a 9 de abril de 2003, Saddam Hussein foi deposto após a invasão do país por uma coligação de tropas norte-americanas e britânicas, que acusavam o presidente iraquiano de possuir armas de destruição em massa.

A 5 de novembro de 2006, o antigo presidente do Iraque foi acusado de ter causado a morte a perto de 150 xiitas iraquianos em 1982, tendo sido executado, por enforcamento, em dezembro de 2006.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.