"Bella Ciao". O regresso de Tom Waits às canções

Cantor americano dá voz a uma canção da resistência antifascista italiana no novo álbum de Marc Ribot. E " soa exatamente a um velho partigiano". Ouça aqui

É uma surpresa que foi agora desvelada: Tom Waits regressa às canções, ao fim de dois anos, para cantar uma versão do hino da resistência antifascista italiana, Bella Ciao, no álbum do guitarrista Marc Ribot.

Segundo a Pitchfork, o tema de Ribot e Waits faz parte do alinhamento do novo álbum do primeiro, Songs of Resistance 1948 - 2018, a lançar na próxima sexta-feira, dia 14, que conta ainda com Steve Earle, Justin Vivian Bond, Sam Amidon, entre outros.

"Eu toquei várias músicas para o Tom e ele imediatamente ligou-se àquela", afirmou Ribot em comunicado. "É claro que ele traz uma certa gravitas a tudo o que faz - os meus amigos italianos dizem que ele soa exatamente a um velho partigiano!", contou, referindo-se aos antigos combatentes da resistência.

Marc Ribot diz que o seu novo álbum é um disco de protesto. E que todos os movimentos que ganharam alguma coisa tinham as suas próprias canções.

A última vez que tínhamos tido notícias de Tom Waits foi em fevereiro de 2016, quando do lançamento de álbum de tributo God Don't Never Change: The Songs of Blind Willie Johnson, com canções deste cantor e guitarrista de blues dos anos 1920, onde Waits interpretou The Soul Of A Man e John The Revelator .

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?