Atriz Vanessa Redgrave recebe prémio carreira no Festival de Veneza

A atriz britânica Vanessa Redgrave vai receber o Leão de Ouro pela carreira no 75.º Festival Internacional de Cinema de Veneza, anunciou hoje a organização.

Em comunicado, o festival explicou que a decisão foi tomada pelo Conselho de Diretores da Bienal de Veneza, presidido por Paolo Baratta, sob recomendação do diretor do Festival de Cinema de Veneza, Alberto Barbera.

"Estou surpreendida e especialmente satisfeita por saber que serei premiada no Festival de Cinema de Veneza pela minha carreira cinematográfica", reagiu a atriz, que venceu em 1966 e 1969 os prémios de melhor atriz do Festival de Cannes, com os filmes Morgan - Um Caso para Tratamento e Isadora, respetivamente.

Barbera declarou que Vanessa Redgrave é "considerada uma das melhores atrizes de hoje", explicando que "as performances sensíveis e infinitamente facetadas de Redgrave criam personagens complexas e muitas vezes controversas".

Nascida em 1937, a atriz estreou-se em cinema em 1958 com o filme Por detrás da máscara, de Brian Desmond Hurst, e participa em televisão desde 1962. Em setembro do ano passado, Vanessa Redgrave esteve em Portugal a apresentar o filme documental Sea Sorrow, que realizou, sobre a crise dos refugiados. Nessa altura, falou com o crítico de cinema do DN, João Lopes;

Este é o segundo Leão de Ouro de carreira a ser anunciado para o 75.º Festival de Cinema de Veneza, depois do anúncio da atribuição ao diretor David Cronenberg. A cada ano, La Biennale atribui dois Leões de Ouro para a Realização da Vida no Festival de Veneza: o primeiro é concedido a um realizador, o segundo a um intérprete.

A 75.ª edição do Festival de Cinema de Veneza decorre de 29 de agosto a 8 de setembro.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."