Atriz Cicely Tyson e compositor Lalo Schifrin recebem Óscares honorários

O compositor Lalo Schifrin, autor da banda sonora de Missão Impossível, e a atriz Cicely Tyson, protagonista de Sounder, vão receber um Óscar honorário de carreira, anunciou hoje a Academia das Artes e Ciências Cinematográficas, de Hollywood

Com Tyler e Schifrin será também homenageado, com o Óscar honorário, o publicista Marvin Levy, que trabalhou durante mais de 40 anos com o cineasta Steven Spielberg, enquanto os produtores Kathleen Kennedy e Frank Marshall, que fundaram a Amblin Entertainment com o realizador de ET, em 1981, receberão o prémio Irving G. Thalberg.

A atriz Cicely Tyson, nascida em Nova Iorque, em 1924, destacou-se como protagonista de Sounder/Esperança, de Martin Ritt, no papel da filha de um trabalhador negro de uma plantação do sul dos Estados Unidos, desempenho que lhe garantiu a nomeação para o Globo de Ouro e o Óscar de Melhor Atriz, em 1973.

Estreou-se no cinema cerca de 20 anos antes, num papel secundário em Homens no Escuro, de Robert Wise, numa altura em que se afirmou como uma das primeiras modelos afro-americanas, nos Estados Unidos.

Como protagonista de A Autobiografia de Miss Jane Pittman, rodado para televisão, em 1974, sobre o século de vida de uma antiga escrava que participou na luta pelos direitos civis, nos anos de 1950/1960, venceu os prémios Emmy, de melhor atriz, e a distinção do Sindicato dos Realizadores dos Estados Unidos.

Durante a carreira de mais de 60 anos no cinema, a presença de Cicely Tyson marcou filmes como As Serviçais (2011), Por Causa de Winn-Dixie (2005), Os Reis do Submundo (1997), Mulheres do Sul (1991).

Na televisão, participou em Raizes, The Rosa Parks Story, As Mulheres de Brewster Place, Mama Flora's Family e, mais recentemente, em episódios de House of Cards e Como Defender Um Assassino.

Lalo Schifrin, nascido em Buenos Aires, em 1932, compôs as bandas sonoras de filmes como The Cincinnati Kid (1965), Bullitt (1968), Dirty Harry (1971) e O Fim de Semana de Osterman (1983).

O compositor e maestro argentino foi nomeado seis vezes para os Óscares pelas bandas sonoras de A Golpada II (1982), Um Amor em Competição (1980), Amityville - A Mansão do Diabo (1979), A Viagem dos Malditos (1976), A Raposa e O Presidiário, ambos de 1967.

Kathleen Kennedy e Frank Marshall partilharam, entre si e outros produtores executivos - entre os quais Steven Spielberg -, nomeações para o Óscar de melhor filme em produções como Lincoln (2012), Cavalo de Guerra (2012), O Estranho Caso de Benjamin Button (2008 ), Munique (2005), Nascido Para Ganhar (2003), Sexto Sentido (1999), A Cor Púrpura (1985) e ET (1982).

Presidente da Lucasfilm desde 2012, Kennedy torna-se assim a primeira mulher a receber o prémio Thalberg, segundo comunicado da academia.

Os prémios serão entregues no próximo dia 18 de novembro, no Ray Dolby Ballroom do Hollywood & Highland Cente, em Los Angeles.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.