Ator Casey Affleck admite comportamentos incorretos em caso de assédio sexual

O ator e realizador Casey Affleck quebrou o silêncio e falou pela primeira vez sobre as acusações de assédio sexual de que foi alvo, admitindo que teve comportamentos incorretos durante a rodagem do filme I'm Still Here.

Após um ano longe do olhar do público, e com um filme para sair no outono, Casey Affleck, de 42 anos, surge agora, na esteira dos movimentos #MeToo e Time's Up, para assumir a responsabilidade pelo ambiente "não-profissional" no cenário de filmagens do "falso documentário" de 2010, I'm Still Here.

Casey Affleck foi acusado de assédio sexual por duas mulheres que trabalharam no filme, tendo sido alvo de dois processos civis.

O realizador falou também à Associated Press sobre o que aprendeu com o movimento #MeToo e o que está a fazer para trazer novas vozes para Hollywood.

Quando Affleck ganhou o Óscar de melhor ator no filme Manchester by the Sea, de 2016, o caso voltou à tona, apesar de o ator ter chegado a um acordo com as mulheres que o acusaram.

"Foi um ambiente não profissional. Eu contribuí para esse ambiente pouco profissional e tolerava esse tipo de comportamento de outras pessoas, e gostaria que não o ter feito", disse em entrevista à AP, acrescentando: "Comportei-me de uma maneira e permiti que os outros também se comportassem de uma maneira não profissional. Peço desculpa".

Embora os processos tenham sido resolvidos fora dos tribunais, o nome de Affleck em 2016 e 2017 foi associado a uma longa lista de homens que abusaram do poder em Hollywood.

Affleck não falou publicamente desde que romperam os movimentos #MeToo e Time's up e optou por não apresentar o prémio de melhor atriz nos Óscares - tradicionalmente uma responsabilidade do vencedor do melhor ator do ano anterior.

Em vez disso, Jodie Foster e Jennifer Lawrence entregaram o troféu a Frances McDormand.

"Acho que foi a atitude mais acertada, atendendo a tudo o que estava a acontecer na nossa cultura naquele momento", disse Affleck.

Affleck disse que aprendeu muito nos últimos anos ouvindo as conversas e afastou-se de um lugar defensivo para assumir a sua própria culpa.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".