Astérix e Obélix metem a colher em intrigas de druidas

O novo filme de animação protagonizado pela mais famosa dupla gaulesa chega hoje às nossas salas, em versão dobrada. Manuel Marques dá voz a Astérix e Eduardo Madeira a Obélix.

Há mais de meio século que estes populares heróis da banda desenhada, criados pelos franceses Albert Uderzo e René Goscinny, conquistaram o grande (e pequeno) ecrã. E a verdade é que tudo começou no próprio formato criativo da animação com o filme Astérix, o Gaulês (1967), de Ray Goossens, seguido da brilhante diversão em terra de pirâmides e múmias, Astérix e Cleópatra (1968), realizada pelos respetivos autores das personagens.

Depois de mais uma mão-cheia de desenhos animados, surgiu uma série de produções em imagem real - entre 1999 e 2012 - que chegou a incluir uma versão dessa Cleópatra interpretada pela italiana Monica Bellucci, tendo Gérard Depardieu em todos os filmes, sem exceção, no papel inigualável do corpulento Obélix. Finalmente, em 2014, com O Domínio dos Deuses, assinado por Alexandre Astier e Louis Clichy, a animação voltou a ser a grande aposta para prolongar o universo Astérix no cinema... Sucedendo a essa história sobre a tentativa de os legionários romanos tomarem a pequena aldeia do Astérix, o novo O Segredo da Poção Mágica, também de Astier e Clichy, assinala o segundo momento deste retomar da linguagem dos desenhos animados - que hoje têm uma aparência digitalmente mais trabalhada mas nem por isso mais apelativa. Para todos os efeitos, importa dizer que se destina sobretudo ao público infantil, apesar da óbvia atração geracional.

Neste capítulo inédito das aventuras dos gauleses, o vetusto druida da aldeia, Panoramix, cai de uma árvore, torce o pé e começa a fazer contas à vida. Que é como quem diz: apercebendo-se de que, pela idade avançada, os seus dias poderão estar a chegar ao fim, decide iniciar a busca por um jovem druida que seja digno de o substituir quando for necessário. Mais precisamente alguém a quem possa confiar a bendita fórmula da poção mágica que dá aos gauleses a força sobre-humana para combater os romanos. E se a sua decisão não é bem-vista pelos conterrâneos, a viagem que deve concretizar, escoltado pelos fiéis companheiros Astérix e Obélix, será uma missão mais complexa. Até porque ao trio junta-se a pequena Pectina, uma menina curiosa e disposta a tudo para ajudar o velho druida, que acabará por ser uma relevante personagem feminina no enredo, desafiando as leis conservadoras que dão exclusividade aos homens nos assuntos de druidas...

Explorando o passado oculto da personagem de Panoramix, os realizadores Clichy e Astier (este último escreveu o argumento original) abrem então uma nova janela narrativa através da figura de Sulfurix, um antigo rival do druida que terá um esquema maquiavélico para ser o seu sucessor. Enquanto ele conjura um plano com o patrocínio de César e o próprio Panoramix percorre toda a Gália à procura da verdadeira boa alma que lhe tomará o lugar, a aldeia dos gauleses é, sem surpresa, ameaçada pelas tropas romanas, que se limitam a ser bombardeadas pelas aldeãs e aldeões munidos da poção mágica... O problema é que ela está quase a esgotar-se e não há sinal dos heróis da fita.

Da mesma forma, podemos dizer que o filme de Astier e Clichy acaba por esgotar-se um pouco nesta representação simples do bem e do mal, não chegando a tirar partido da sua icónica dupla. Isto é, não conseguindo segurar com eficácia o tempo para a comédia intrínseca de Astérix e Obélix, que no fundo é a chave do deleite dos fãs. Apesar de alguns momentos aflorarem tal dinâmica da parelha, a linha de ação acumulada, e os diálogos pouco trabalhados, não lhes permite desenvolver um autêntico charme humorístico. Algo que se nota ainda mais por se tratar de uma versão dobrada - sem que aqui se tire o mérito a Manuel Marques, na voz do herói loiro baixinho, e Eduardo Madeira, na do ruivo volumoso.

Resta então a este O Segredo da Poção Mágica a qualidade da receita intemporal: a peculiar simpatia das personagens, o teor das suas peripécias e os valores que as definem. Caso para dizer (por Tutatis!) que só era preciso ter mais Astérix/Obélix e menos Sulfurix.

** Com interesse

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.