André Letria vence Prémio Nacional de Ilustração com "A Guerra"

O autor e ilustrador português André Letria venceu por unanimidade o Prémio Nacional de Ilustração com o livro "A Guerra", anunciou a Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas (DGLAB).

Reunido esta sexta-feira, o júri destacou "a grande maturidade plástica e estética do trabalho de André Letria, a qualidade do objeto, a cadência e ritmo das páginas, assim como uma segura e sensível paleta cromática".

A Guerra, editado em 2018 com selo da Pato Lógico, tem obtido reconhecimento internacional, nomeadamente nos Estados Unidos, Alemanha e Coreia do Sul. André Letria fez este livro com o escritor José Jorge Letria, tendo o júri sublinhado a "perfeita articulação" entre texto e ilustração, "equilibrando o referencial e o simbólico". Com um título autoexplicativo, este é um livro sobre a guerra, com uma narrativa textual que se estende por duas dezenas de frases às quais André Letria deu vida com uma sequência visual paralela e complementar. "A guerra não ouve, não vê e não sente. A guerra sabe sempre onde a temem e a esperam. (...) A guerra é o estrondo e o caos", lê-se no livro.

O júri deste ano do Prémio Nacional de Ilustração decidiu ainda atribuir menções especiais a Susa Monteiro, pelo livro Sonho, e a Mariana Rio, pelas ilustrações de A casa da doutora Farnsworth, com texto de Joana Couceiro.

Nesta 23.ª edição, foram avaliadas 81 obras ilustradas, publicadas em 2018 por editoras portuguesas e estrangeiras, por outras entidades ou em edição de autor, tendo o júri destacado a diversidade, o rigor e "a elevada qualidade de muitos livros a concurso". O júri integrou Andreia Brites, Luís Mendonça e Maria Carlos Loureiro.

André Letria receberá um prémio monetário de 10 mil euros. O premiado e as autoras reconhecidas com a menção especial receberão ainda 1.500 euros cada para custear uma deslocação à Feira Internacional do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha, em Itália. A cerimónia de entrega do prémio decorrerá a 13 de outubro no Fólio - Festival Literário Internacional de Óbidos.

Esta é a segunda vez que André Letria vence o Prémio Nacional de Ilustração, 20 anos depois de ter sido reconhecido com Versos de fazer ó-ó, também com texto de José Jorge Letria. Noutras edições obteve várias menções especiais por outros álbuns ilustrados. André Letria, 46 anos, trabalha como ilustrador desde 1992, tendo já feito também cinema de animação e cenografia para teatro. A par do trabalho publicado, premiado, é ainda editor da Pato Lógico, que fundou em 2010.

A longa lista de livros já publicados inclui, entre outros, Lendas do mar, Os animais fantásticos, Domingo vamos à Luz ou Se eu fosse um livro - todos feitos em parceria com o pai, José Jorge Letria, mas também "Mar", com Ricardo Henriques, e a coleção de livros-harmónio em nome próprio. Chico Buarque, José Luís Peixoto, Eva Mejuto e José Saramago foram outros autores para quem André Letria ilustrou.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.