Camané venceu Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado

Camané, com o disco Camané Canta Marceneiro, é o vencedor do Prémio Manuel Simões para Melhor Disco de Fado, revelou hoje à agência Lusa fonte da Fundação Manuel Simões.

Patrícia Viegas
Camané© Gonçalo Villaverde - Global Imagens

Criado em março último pela Fundação que tem o nome do editor discográfico, no âmbito das comemorações do centenário deste, o galardão tem periodicidade anual e visa distinguir exclusivamente a melhor edição discográfica de fado do ano civil anterior ao da entrega do prémio, referia um comunicado da Fundação aquando da instituição do prémio.

Na ata, a que a agência Lusa teve acesso, o júri refere ter ponderado a "mestria interpretativa" de Camané, que "resgatou cuidadosamente um dos repertórios emblemáticos do fado", de um dos seus "mais carismáticos intérpretes" - Alfredo Marceneiro -, sem se deixar confundir ou seguir o modelo, mas antes recriando, propondo o seu próprio registo.

Para o júri, Camané fez uma "interpretação iluminada" de um dos repertórios matriciais do fado, numa "equação excelente com o acompanhamento instrumental".

O álbum "evidencia a faceta artesanal e de afetos, património indissociável do fado", e Camané, "figura absolutamente maior do panorama fadista", fá-lo "de uma forma natural, sem artifícios nem recursos exógenos, antes na suprema simplicidade fadista, da qual é mestre".

"Plena", é como o júri qualifica a interpretação de Camané no álbum em que recria o repertório de Marceneiro e no qual "se revelam todas as notas musicais, a emoção, a capacidade de encontrar a musicalidade das palavras e imprimir-lhe um cunho próprio, sem exageros, de forma contida, autêntica e inteira".

Sobre o CD editado em 2017, produzido com produção de José Mário Branco e edição da Warner Music, o júri reconhece ainda em Camané a "validação da tradição", sem que "tenha ficado preso a ela".

Ao revisitar o repertório do fadista que criou A Casa da Mariquinhas e ao ter convidado Carlos do Carmo para participar no CD - com quem canta A Lucinda Camareira -, Camané estabelece "uma linguagem artística", que se traduz na forma como as "sucessivas gerações passam o testemunho e contemporizam o fado, que é sempre novo".

Sem valor pecuniário, o prémio consiste numa estatueta e será entregue numa cerimónia que deverá realizar-se em outubro, acrescentou à Lusa fonte da Fundação.

O júri decidiu ainda destacar o mérito das edições discográficas Amália.Fados´67 e Amália. Coliseu 1987, ambos editados pela Valentim de Carvalho, assim como o álbum Recordar Ana Rosmaninho, com edição do Lagar da Música, por "resgatarem para a atualidade repertório essencial à tradição e à prática fadista".

Compunham o júri a fadista Julieta Estrela de Castro, a apresentadora de televisão Margarida Mercês de Mello, a responsável do Museu do Fado, Sara Pereira, o realizador de rádio Edgar Canelas e o jornalista Nuno Lopes.

A Fundação Manuel Simões foi instituída pelo empresário discográfico em dezembro de 2001. Nascido em Pedrógão Grande, Manuel Simões (1917-2008) foi empresário discográfico e fundou a editora Estoril, a Discoteca do Carmo, e a fundação a que deu o seu nome, em dezembro de 2001.