"Africa" dos Toto vai tocar "para sempre" no deserto da Namíbia

A canção pode ser agora escutada em loop num lugar não revelado do deserto da Namíbia, através de um leitor mp3 ligado a seis colunas. Trata-se de uma instalação do artista Max Siedentopf.

A célebre canção da banda americana Toto regressou a casa e "para sempre". Africa pode ser agora escutada em loop num lugar não revelado do deserto da Namíbia, que tem mais de 1900 quilómetros. Um leitor de mp3 ligado a seis colunas, alimentados a energia solar, dão hoje forma a Toto Forever, instalação do artista Max Siedentopf.

De nacionalidades alemã e namibiana, o artista a residir em Londres afirmou à CNN querer que a canção dure naquele lugar e naquelas condições "o mesmo tempo" que carrega aquele que é o deserto mais antigo do mundo, com cerca de 55 milhões de anos.

Intrigado pelo facto de esta canção dos Toto, de 1982, que vendeu quatro milhões de cópias só nos EUA, persistir na atual cultura popular, Siedentopf disse querer "prestar a derradeira homenagem à canção e fisicamente mostrar Africa em África". Questionado sobre a razão para manter em segredo a localização da obra, o artista respondeu que quer que esta permaneça como "como um tesouro que apenas os mais leais fãs dos Toto podem encontrar".

Os Weeker, que fizeram um também já célebre desta canção dos Toto, atuam em Portugal na próxima edição do NOS Alive, em julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.