"Africa" dos Toto vai tocar "para sempre" no deserto da Namíbia

A canção pode ser agora escutada em loop num lugar não revelado do deserto da Namíbia, através de um leitor mp3 ligado a seis colunas. Trata-se de uma instalação do artista Max Siedentopf.

A célebre canção da banda americana Toto regressou a casa e "para sempre". Africa pode ser agora escutada em loop num lugar não revelado do deserto da Namíbia, que tem mais de 1900 quilómetros. Um leitor de mp3 ligado a seis colunas, alimentados a energia solar, dão hoje forma a Toto Forever, instalação do artista Max Siedentopf.

De nacionalidades alemã e namibiana, o artista a residir em Londres afirmou à CNN querer que a canção dure naquele lugar e naquelas condições "o mesmo tempo" que carrega aquele que é o deserto mais antigo do mundo, com cerca de 55 milhões de anos.

Intrigado pelo facto de esta canção dos Toto, de 1982, que vendeu quatro milhões de cópias só nos EUA, persistir na atual cultura popular, Siedentopf disse querer "prestar a derradeira homenagem à canção e fisicamente mostrar Africa em África". Questionado sobre a razão para manter em segredo a localização da obra, o artista respondeu que quer que esta permaneça como "como um tesouro que apenas os mais leais fãs dos Toto podem encontrar".

Os Weeker, que fizeram um também já célebre desta canção dos Toto, atuam em Portugal na próxima edição do NOS Alive, em julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.