A arte de Ferreira e a raça de Casquinha marcam a noite lisboeta

Miguel Ortega Cláudio faz a crónica da corrida de 2 de agosto, no Campo Pequeno, "agradável até na parte apeada"

As corridas mistas são tão bem vindas quanto necessárias, mas também é bem verdade que os cartéis têm que ter interesse para o público acudir em massa às bancadas. Na passada quinta-feira, dia 2 de agosto, não foi assim no Campo Pequeno, em Lisboa. Em termos artísticos a corrida até foi agradável na parte apeada, em especial na segunda parte, em que as prestações de António João Ferreira e Nuno Casquinha foram louváveis.

Para esta corrida a empresa resenhou uma corrida da ganadaria de São Torcato, ofensiva de caras, séria de tipo, com alguns toiros difíceis e a porem dificuldades aos toureiros, exceção feita ao quinto da noite que, esse sim, teve classe e meteu bem a cara tanto no capote como na muleta do matador que teve por diante.

Abriu a corrida uma lide a duo de Ana Batista e Sónia Matias, diante de um toiro com cinco anos, difícil e a por em dificuldades as cavaleiras. Lide esta sem história e que não ficará nas lembranças da temporada da arena lisboeta.

As outras duas lides a cavalo foram realizadas pela cavaleira Ana Batista, já que Sónia Matias se sentiu indisposta e não voltou a pisar a arena do Campo Pequeno. Ana andou em bom plano com a classe que a caracterizam, deixando bons ferros, bregando com eficiência, superando as exigências impostas pelos Torcato mas a noite acabou por não romper a sério.

Quanto aos matadores portugueses há que dizer em abono da verdade que fizeram da entrega e a sede de triunfo, a sua bandeira. Cada qual à sua maneira e com as virtudes que os caracterizam.

António João Ferreira teve a cara e a cruz nesta sua passagem por Lisboa no que a toiros diz respeito, o seu primeiro foi difícil já o seu segundo ofereceu-lhe o triunfo. No primeiro do seu lote fez frente muito disposto às dificuldades do toiro, mostrando sempre o seu toureio de corte fino nas series em redondo e naturais que o São Torcato lhe permitiu. No quinto da noite a história foi outra! De capote o toiro mostrou virtudes e matador aproveitou as investidas em bonitas chicuelinas. Na faena de muleta embarcou as boas investidas do toiro em grandes séries com a mão direita muito baixa, cintura quebrada, a poder com a investida e submeter, adiantou a muleta no embroque levando o toiro muito cingido com verdade e entrega. Repetiu a dose pela esquerda com a mesma vibração e emoção, provocando o toiro a tomar a muleta e o poderio do toureiro. Foram momentos de grande intensidade que constituíram o momento mais alto da noite.

Nuno Casquinha teve por diante dois toiros complicados, que lhe puseram difícil o triunfo mas o matador assim não o quis e deu a volta à tortilha à base de poderio, coração e muito valor. O primeiro ficou curto desde que saiu, foi rebrincado na muleta e só com muito esforço o seu matador lhe sacou alguns passes de mérito. O que fez sexto não foi melhor, mas Casquinha andou encastado e sacou-lhe meritória faena, não sem ser volteado com violência mas sem consequências de maior felizmente. Puxou dos galões, agarrou-se ao seu amor-próprio, à sua inata casta e acabou por meter o toiro na muleta. Andou destacado em ambos os toiros em valorosos pares de bandarilhas.

A noite para os Amadores das Caldas não foi fácil e não lhe correu de feição, particularmente para Lourenço Palha, que saiu maltratado na pega ao quarto toiro da noite.

Abriu a noite Francisco Mascarenhas que pegou à segunda tentativa numa boa pega, na primeira tentativa foi violentamente derrotado pelo toiro.

Lourenço Palha bateu as palmas ao quarto da noite e foi colhido com violência, recolhendo à enfermaria. Saltou então para tentar a sua sorte António Cunha que à segunda tentativa e bem ajudado pelo grupo concretizou a pega.

Para o último da noite o cabo decidiu que o toiro seria pegado de cernelha e saltou então a parelha de cernelheiros Duarte Palha e José Maria Abreu que depois de algumas entradas lá conseguiram dominar o toiro, numa sorte com pouco brilho.

Dirigiu a corrida Pedro Reinhardt assessorado pelo veterinário Dr. Jorge Moreira da Silva.

Síntese da corrida:

Toiros da ganadaria de São Torcato bem apresentados, encastados mas difíceis. O quinto bravo ao qual foi concedida volta à arena. Também ganadero e maioral deram volta depois da lide deste quinto toiro.

Cavaleiros: Ana Bastista e Sónia Matias ( Silêncio); Ana Bastita (Volta e Volta); António João Ferreira ( Volta e Volta); Nuno Casquinha (Volta e Volta)

Forcados: Amadores das Caldas da Rainha - Francisco Mascarenhas (Ovação); António Cunha (Palmas); Duarte Palha e José Maria Abreu (Volta).

*As voltas à arena no final das lides são concedidas pelo diretor de corrida como prémio à qualidade da performance artística dos intervenientes ou pela bravura dos toiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.