15 factos para perceber Cristina Ferreira

É uma das mulheres mais influentes do país e protagonista da transferência do ano nos media nacionais. Sabia que já trabalhou na RTP?

É a contratação do ano. A ida da apresentadora Cristina Ferreira da TVI para a SIC é o assunto sobre o qual todos falam, seja pela popularidade, pelo alcance que a celebridade tem nas redes sociais, ou, sobretudo, pelos milhares de euros que vai passar a auferir a partir de janeiro de 2019 - estima-se que 80 mil por mês.

E porque já ninguém se prende com generalidades, nada mais importante que saber quem é esta mulher de quase 41 anos, que dividiu o espaço matutino da estação de Queluz de Baixo com Manuel Luís Goucha, em Você na TV, durante 14 anos. Um rosto que começou a dar nas vistas após uma formação que fez com Emídio Rangel, antigo diretor-geral da SIC e também da RTP, na extinta Universidade Independente.

Conheça 15 factos da vida, do percurso e do império construído por Cristina Ferreira, já apelidada por muitos como o Cristiano Ronaldo da televisão portuguesa, e que deve saber na ponta da língua para não cometer nenhuma ​​​​​​​gaffe no tópico que domina as conversas.

Conheça Cristina Ferreira, a mulher que está a protagonizar a transferência televisiva do ano, em 15 factos.

Filha única

Cristina Maria Jorge Ferreira nasceu na Malveira, a 9 de setembro de 1977. Está em vésperas de completar 41 anos. De origens modestas, Cristina Ferreira é a única filha de António e Filomena, feirantes na terra que a viu nascer. Origens que a apresentadora nunca renegou, bem pelo contrário

15 anos de namoro

Teve um namoro de fim da adolescência com António Casinhas, que durou 15 anos. Hoje está separada dele - com quem, aliás, nunca se casou - mas tem um filho em comum, Tiago, de 10 anos

Licenciada em História

Licenciada em História, Cristina Ferreira chegou a dar aulas no Ensino Secundário. Fez depois curso em Comunicação Social, tendo sido também aluna numa formação especial para apresentadores, na extinta Universidade Independente, concebido por Emídio Rangel, em 2003. Nessa condição, Cristina teve como professores, entre outros, Júlia Pinheiro

No Regiões

Ainda antes da formação atrás referida, Cristina Ferreira estagiou três meses como repórter na RTP1, no programa Regiões, atual Portugal em Direto

Big Brother

A estreia oficial acontece ainda nesse mesmo ano, nos diretos associados ao reality show Big Brother. Mas, antes, a atual empresária tinha sido repórter estagiária no programa Olá Portugal

Com Goucha

A consagração começaria a 13 de setembro de 2004, dia em que se estreou ao lado de Manuel Luís Goucha, nas manhãs de Você na TV. Juntos conquistaram uma liderança que esteve, durante anos, nas mãos da SIC. Agora, 14 anos depois está de saída e a TVI está a negociar com Cristina no sentido de não voltar mais em direto ao pequeno ecrã da estação ainda que o contrato termine no fim de novembro

Estrela em 2004

Foi a 13 de setembro de 2004 que a carreira televisiva de Cristina Ferreira mudou, ainda que na altura não o soubesse. Durante a primeira emissão do Você na TV, Manuel Luís Goucha anunciou Cristina como a nova apresentadora da estação e a sua companheira no programa das manhãs, que apresenta até hoje

Empresária

Em abril de 2006 abria uma loja de roupa multimarca na Malveira, a Casiraghi Forever. Um local onde era possível encontrá-la com frequência, sobretudo à tarde, após a apresentação do Você na TV

Na internet

Em maio de 2013, e depois de um clima de tabu e suspense, Cristina Ferreira lança o blogue Daily Cristina, uma plataforma que a catapultaria decididamente para o estrelado fora da TV e no mundo dos negócios. Um ano depois tinha meio milhão de visitantes por mês e três milhões de visualizações

Dança com as Estrelas

No verão desse ano, estreia-se a solo num dos mais cobiçados e valiosos horários da televisão nacional: domingos à noite. Cristina era a anfitriã de Dança Com as Estrelas, talent show em que famosos mostravam os seus dotes. Um arranque marcado por uma tragédia, quando o toureiro José Luís Gonçalves dava uma queda nos ensaios que o poria em coma e frente a uma lenta recuperação que ainda decorre

Levar Marcelo à capa

Dois anos depois, novo tabu, novo suspense: era, afinal, a revista homónima. Cristina estreou-se em banca em março de 2015 e tinha na capa Marcelo Rebelo de Sousa, ainda não como Presidente da República. Vendeu 100 mil exemplares no primeiro número. Hoje, segundo o Bareme, regista uma circulação média paga de 38 mil exemplares

Assediada

Em novembro de 2016 revelou, com estrondo, que tinha sido vítima de assédio por parte de um colega da TVI. "As flores indicavam uma óbvia tentativa de conquista. As palavras mansas acusavam um objetivo claro: ele queria comer-me. Não há outra expressão que melhor defina o que ele queria", escreveu na autobiografia Sentir. A identidade do agressor nunca foi revelada

Apanha-me se puderes

Em 2017, a TVI volta a tentar a sua sorte na esperança - já longa - de recuperar as audiências do acesso ao prime-time, outro dos horários que vale ouro em Portugal. O canal deposita, então, as esperanças em Cristina Ferreira e no concurso Apanha Se Puderes. Qual toque de Midas, a apresentadora fez o que nem Teresa, nem novelas, nem a própria Cristina com os vídeos das entrevistas publicadas na revista conseguiram: ganhar o horário, recuperar a herança da novela Morangos com Açúcar e bater o histórico Preço Certo, da RTP1

A mais influente

Em 2017 e 2018, Cristina foi eleita a mulher mais influente de Portugal, pela revista Executiva. Em maio deste ano, a revista Sábado elegia-a como uma das 50 mulheres mais poderosas do país, ao lado de nomes da política, da justiça, da economia e da cultura

Recordista na Internet

Só na conta de Instagram que detém, @dailycristina, o rosto do pequeno ecrã soma mais de 752 mil seguidores. E, segundo as contas feitas pelo site Influencer Marketing Hub, que analisa o valor gerado pelo tráfego das últimas 12 publicações, os ganhos estimados por post estão entre 1500 e 2600 euros. Contas que não incluem, por exemplo, o Facebook, onde Cristina soma mais de um milhão e 700 mil seguidores

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.