Fotojornalista Mário Cruz nomeado para o World Press Photo

O fotojornalista português Mário Cruz é um dos nomeados na categoria Ambiente do World Press Photo 2019, com uma imagem do rio Pasig em Manila, nas Filipinas, anunciou hoje a organização do prémio internacional.

Os nomeados foram hoje anunciados no sítio online do galardão dedicado ao fotojornalismo que é atribuído desde 1955, premiando as imagens mais marcantes recolhidas no ano anterior em várias categorias.

O fotojornalista português Mário Cruz, nomeado na categoria Ambiente do World Press Photo 2019, afirmou hoje que a imagem que levou a concurso, sobre poluição extrema num rio das Filipinas, "é um apelo que merece a nossa reação rápida".

"Living Among What's Left Behind" ("Viver entre o que foi deixado para trás", na tradução do inglês) é o título da imagem captada por Mário Cruz, que é fotojornalista da agência Lusa, mas desenvolveu este projeto a título pessoal sobre comunidades de Manila que vivem sem saneamento, junto ao rio, rodeadas de lixo.

Em declarações à Lusa sobre o significado deste prémio, o fotojornalista disse "esperar o mesmo de sempre": "Que as imagens criem discussão, e essa discussão passe rapidamente à ação, porque o que eu fotografei não é um cenário negativo futurista. É o presente".

A imagem mostra uma criança que recolhe materiais recicláveis deitada num colchão rodeado por lixo que flutua no rio Pasig, em Manila, que já foi declarado biologicamente morto na década de 1990.

"Muitas vezes caímos no erro de nos preocuparmos com a microescala que nos afeta diretamente no nosso dia-a-dia, mas a verdade é que isso é apenas o início de algo que se encontra descontrolado em vários outros pontos do planeta", comparou Mário Cruz.

O fotojornalista esteve durante um mês a desenvolver o seu projeto junto das comunidades que vivem ao longo do rio Pasig, testemunhando uma situação extrema de poluição ambiental que os habitantes enfrentam há décadas.

"Nós vemos imagens de praias com lixo no areal e ficamos incomodados, mas estas pessoas em Manila estão rodeadas de lixo diariamente, já há muitos anos, e isto merece a nossa reação rápida", apelou.

A fotografia vencedora foi captada nesse sentido: "No fundo é um apelo para que não se ignore o que não pode ser ignorado".

Os habitantes daquelas comunidades tentaram, sem sucesso, ir viver para a capital das Filipinas, e acabaram por criar construções ilegais junto ao rio, onde vivem, sem saneamento, e muitos deles da reciclagem do lixo que é atirado fora.

"É um problema que se arrastou, e está a agravar-se tomando dimensões preocupantes", alertou o fotojornalista, acrescentando que viu estuários, criados para impedir as cheias, cheios de lixo.

"Neste momento só se vê lixo. É dramático olhar para um canal de água e não ver a água, só plástico, e isso merece sem dúvida uma reação", reiterou.

Os nomeados hoje anunciados nas várias categorias são todos premiados e vão integrar a exposição itinerante do galardão, mas só em abril o júri irá divulgar a fotografia do ano e as várias classificações nas respetivas categorias.

Este ano, o júri da 62.ª edição avaliou 78.801 imagens captadas por 4.738 fotógrafos que concorreram ao prémio.

Em 2016, o fotojornalista Mário Cruz conquistou o primeiro lugar na categoria Temas Contemporâneos, com um trabalho sobre a escravatura de crianças - dos meninos Talibés - no Senegal, que veio a dar origem a um livro.

O anúncio de hoje inclui os nomeados para o World Press Photo do Ano, e para os novos prémios que foram criados: o World Photo do Ano, o World Press Photo Interactive e o World Press Photo Vídeo ´online´.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...