Festival Queer Lisboa começa hoje com uma fantasia musical em português

O festival queer começa esta sexta-feira e tem programação de filmes até dia 24 de setembro. Os filmes Fogo-Fátuo, Joyland e Corpolítica fazem parte da programação.

O filme Fogo-Fátuo, uma fantasia musical de João Pedro Rodrigues na qual entram um príncipe, bombeiros e o flagelo dos incêndios em Portugal, abre esta sexta-feira o festival de cinema Queer Lisboa.

Fogo-Fátuo chega ao Queer Lisboa, em antestreia no cinema São Jorge, depois de uma elogiada estreia internacional no festival de Cinema de Cannes (França) e numa altura em que também faz parte do festival de Toronto, a decorrer no Canadá.

O filme, que se estreia nos cinemas no dia 29, é uma comédia sobre um príncipe português que quer ser bombeiro para ajudar o país a combater os incêndios que devastaram parte do território, mas é também uma sátira social sobre Portugal.

Mauro Costa e André Cabral protagonizam Fogo-Fátuo, à frente de um elenco que conta ainda com Joel Branco, Oceano Cruz, Margarida Vila-Nova, Miguel Loureiro, Teresa Madruga, Paulo Bragança, Cláudia Jardim, Joana Barrios, entre outros.

A 26.ª edição do Queer Lisboa propõe, até ao dia 24, uma programação de filmes que ajudam o espectador a pensar sobre a construção do conceito 'queer' no passado e no presente, e sobre a importância da memória nessa reflexão, como afirma a direção no programa oficial.

Entre as escolhas deste ano está a produção paquistanesa Joyland de Saim Sadiq, duplamente premiada este ano em Cannes, sobre um romance entre um rapaz e uma rapariga transgénero, que abala os alicerces de uma família patriarcal, e "Três Tristes Tigres", do brasileiro Gustavo Vinagre, em torno de três adolescentes numa cidade distópica.

Ainda sobre o Brasil, o festival realça ainda a seleção de Corpolítica, de Pedro Henrique França, que acompanha as candidaturas de pessoas LGBTQI+ nas eleições de 2020. O realizador estará em Lisboa a apresentar o filme.

O foco deste ano do programa "Hard Nights" incide "em duas figuras peculiares na produção de obras explícitas": Fred Halsted, "o lendário ator e realizador de pornografia gay e figura de culto dos anos 1970", e Mahx Capacity, fundador do estúdio AORTA films.

O encerramento do Queer Lisboa será com o documentário Esther Newton Made Me Gay, da realizadora Jean Carlomusto, sobre a antropóloga social e ativista lésbica Esther Newton.

Depois do Queer Lisboa acontecerá o Queer Porto, de 29 de novembro a 4 de dezembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG