Exclusivo Eugénia Melo e Castro, a anti-moda

A voz continua a mesma. As expressões pouco ou nada mudaram, os anos foram passando mas há uma certa candura que permanece na forma de estar de Eugénia Melo e Castro. Mas não se pense que é algo ingénuo ou frágil, antes pelo contrário, há irreverência e coerência. O mundo mudou, Eugénia Melo e Castro não.

O que é feito de Eugénia Melo e Castro? É a pergunta que mais se ouve quando se fala no nome da cantora portuguesa. É a própria que o confirma. Em conversa com o Diário de Notícias, desde o seu refúgio no Alentejo, conta que não tem parado e que continua a gravar todos os anos sem dar qualquer importância à necessidade cada vez mais proeminente de ser falada. Não está desaparecida nem esquecida, como muitos, pelo menos em Portugal, pensam, explica. Aliás, "não tenho tido sossego" e tem gravado à média de um disco por ano, para além dos inúmeros espetáculos que tem dado no Brasil.

E tudo estava a "correr normalmente" e quase a entrar em estúdio para gravar mais um novo trabalho quando surgiu a pandemia. Um trabalho que estava praticamente pronto com "músicas escolhidas e quase tudo decidido", é um disco de intérprete com base em compositores paulistas, chama-se Paulista Ambulante. "É a minha homenagem a São Paulo, que me tem aturado estes anos todos".

A estadia "forçada" de mais de um ano em Portugal não lhe é comum, gosta do movimento, mas agora está no Alentejo, onde cava batatas e planta flores, e gosta. Diz com o mesmo sorriso de miúda que se lhe conhece há anos.
"Vim para Portugal no início de fevereiro de 2020 e aqui estou desde então". O covid impede-a de continuar o seu movimento constante entre os dois países, que tem sido a sua vida nos últimos anos - três meses cá, três meses lá. Mas não a impede de, entretanto, ter lançado em finais de 2020 o álbum Sweet Psychadelics um trabalho diferente do habitual, que demorou vários anos a preparar. Foi gravado com a banda com o mesmo nome do álbum à qual Eugénia Melo Castro dá a voz. "É cantado em inglês, com um som contemporâneo de valsas psicadélicas, bossas setentistas e vigorosas canções inspiradas na sétima arte", diz.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG