Em setembro estreia a 12ª... e última temporada de "The Big Bang Theory"

A série norte-americana estreou em 2017 e, após 12 temporadas, vai chegar ao fim, anunciou esta quarta-feira a CBS, que promete um final épico

"Estamos eternamente gratos aos nossos fãs pelo apoio à 'The Big Bang Theory' durante as últimas 12 temporadas". O agradecimento é da CBS que, num comunicado conjunto com a Warner Bros Television e a Chuck Lorre Production, anunciou esta quarta-feira o fim da série norte-americana.

A 24 de setembro estreia 12ª e última temporada das aventuras dos amigos Sheldon, Leonard, Raj, Wolowitz, Penny, Amy e Bernadette, as personagens principais desta comédia cuja ação se passa em Pasadena. A despedida deverá acontecer em maio de 2019 e promete ser épica.

"Nós, juntamente com o elenco, escritores e equipa, estamos extremamente agradecidos pelo sucesso", lê-se no documento no qual os responsáveis pela série prometem um "final criativo épico".

Exibida em Portugal no AXN White, a "Teoria do Big Bang", que estreou em 2017, é uma das séries de comédia mais populares de todo o mundo. Na última temporada, teve em média 18,6 milhões de telespetadores. Recebeu 52 nomeações para um Emmy, tendo ganho 10 até ao momento.

Além de representar o final da história do grupo de amigos geeks, a 12ª temporada marca também o fim da série multicâmara mais longa da história da televisão, de acordo com a Entertaiment Weekly .

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.