Elas não são nada invisíveis: mulheres que são estrelas aos 50 anos

O escritor francês argumentou que é impossível amar mulheres com mais de meio século. "O corpo de uma mulher de 50 anos não é de todo extraordinário", defendeu. Há provas irrefutáveis que o desmentem

Emmanuelle fez 55 anos no verão, Juliette tem 54, Monica também, Sophie já fez 52 e Carla 51, como Sandrine. A lista podia ser alargada a duas Isabelle, uma de 65, outra de 63 anos, a Carole, de 61, ou a Catherine, 75.

Para o francês Yann Moix, escritor e realizador ocasional, é impossível amar estas mulheres porque têm mais de 50 anos: "Elas são invisíveis. Eu prefiro os corpos de mulheres mais jovens. É tudo. Um corpo de uma mulher de 25 anos é extraordinário. O corpo de uma mulher de 50 anos não é de todo extraordinário."

"Elas são invisíveis. Eu prefiro os corpos de mulheres mais jovens. É tudo."

Segundo Yann, ele próprio com 50 anos, é impossível amar mulheres como as atrizes Emmanuelle Béart, Juliette Binoche, Monica Bellucci, Sophie Marceu, Carla Bruni, Sandrine Bonnaire, Isabelle Huppert, Isabelle Adjani, Carole Bouquet ou Catherine Deneuve. E escolhemos apenas atrizes que podemos ver com regularidade em filmes produzidos em França (Monica é italiana, esteve casada com o francês Vincent Cassel; Carla é italo-francesa, as outras são todas de nacionalidade francesa).

O leque podia ser alargado a Hollywood, para continuar no cinema, que é um meio onde Yann também se movimenta: Halle Berry já fez 52 anos, como Robin Wright, que todos conhecem de House of Cards, e Salma Hayek, a mexicana de Frida; Julia Roberts festejou em outubro 51 anos, como Nicole Kidman; ou Cindy Crawford, a supermodelo hoje atriz, que no próximo mês festeja 53, a mesma idade de Diane Lane, que fará 54 em 22 janeiro, e da atriz chinesa Gong Li, revelada em Judou e consagrada com Adeus, Minha Concubina. E a lista podia continuar.

Donde se conclui, por este breve elenco, que podemos contestar com facilidade Yann Moix: elas não são nada invisíveis. E aqui temos provas irrefutáveis (e as fotos são de filmes ou produções recentes).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.