Check-in numa Macau de sombras e noite

Margarida Vila-Nova em modo "noir" numa Macau noctívaga com jogo e sedução. Hotel Império, de Ivo M. Ferreira, chega aos cinemas. Um filme sem medo do risco.

Depois da estreia nacional no IndieLisboa e da antestreia mundial em Pingyao, no festival de Jia Zhangke, o novo de Ivo M. Ferreira, autor de Cartas da Guerra, chega agora a Portugal. Trata-se de um belo filme que recupera o olhar do realizador português sobre esta China contemporânea, neste caso um conto na Macau moderna.

Um "film noir" que relata a história de um pai e de uma filha portugueses a tentar manter o seu hotel em Macau contra a especulação imobiliária. Margarida Vila-Nova é a filha, uma artista da noite que é seduzida por um asiático que tenta fazer o negócio do Hotel Império. Ela é uma mulher disposta não deixar escapar uma Macau que é o seu traço de identidade.

Ivo M. Ferreira filma tudo com uma bom gosto irrepreensível e tem um olho muito sensual sobre os recantos de uma velha Macau saqueada pelos abusos da gentrificação. E nesse olhar há uma preferência por detalhes de uma cidade que emana cheiros e atmosferas, tal como acontecia na sua curta Na Escama do Dragão, onde parece não haver plano algum sem uma camada insidiosa de encanto que alude a um movimento de tempo em cinema muito próprio.

Não se trata de exercício de estilo, é ensaio de estilo. Nesse sentido, é um filme que namora, seduz o espetador. Quem aderir, ficará com um fraquinho, quanto mais não seja pela interpretação de Margarida Vila-Nova, atriz que em cinema expõe um mistério de intimidade tocante.

Depois, há também uma amargura sincera na forma como documenta e regista um certo flagelo de imaginários simbólicos de uma Macau onde há ainda quem caminhe de frente para trás e cuja luz transmite uma pulsão de perturbação. E esse trabalho meticuloso está estremado num cuidado domínio de precisão de câmara. As cores difusas da diretora de fotografia Susana Gomes tornam-se num pêndulo certo para as ambições de "film noir" de Ivo Ferreira.

Se Macau é território de "noir" série B,Hotel Império é um feliz exemplo dos espelhos e reflexos de um cineasta que não tem medo de se atirar ao cinema de género. Depois de Cartas da Guerra, Ivo M. Ferreira conseguiu um sucessor à altura.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.