Bertolucci, o barroco

Disse em 1970, numa entrevista: "Creio que rodar um filme significa pôr um pouco de ordem no caos que existe em mim". A Bertolucci, Pier Paolo Pasolini chamou-lhe mestre do cinema-poesia

O cinema do italiano Bernardo Bertolucci é, nas suas bases, um cinema de memória coletiva. Isso mesmo se vê no brilhante thriller O Conformista (1970) - que curiosamente esteve em exibição anteontem no Lisbon & Sintra Film Festival -, sobre um homem seduzido pelo fascismo na Itália de Mussolini.

Sendo da geração de 1960, alguém de convicções políticas, com um genuíno interesse nas relações do indivíduo com a textura social (veja-se A Estratégia da Aranha, de 1969, tirada de um conto de Jorge Luis Borges), Bertolucci passou igualmente para a tela uma natural disposição lírica e psicanalítica, que confere a títulos como o épico 1990 (1976) e a narrativa incestuosa de La Luna (1979) um sortilégio particular.

Disse em 1970, numa entrevista: "Creio que rodar um filme significa pôr um pouco de ordem no caos que existe em mim". E talvez este então jovem cineasta, a quem Pier Paolo Pasolini apelidou de mestre do cinema-poesia logo após a estreia de Antes da Revolução (1964), ainda não estivesse bem consciente de como o barroquismo da sua expressão de intimidade iria manifestar-se em grande parte da sua obra posterior.

Assim aconteceu no polémico O Último Tango em Paris (1972), mas também, por exemplo, em Os Sonhadores (2003), ambientado no Maio de 68, e até em Eu e Tu (2012), o seu derradeiro filme, que conta uma história bastante simples, extraída de um livro de Niccolò Ammaniti. A saber, Lorenzo, um jovem de 14 anos pouco dado à convivência social, decide pregar uma mentira aos pais dizendo que vai esquiar com amigos durante uma semana de férias, e fecha-se na cave da casa onde acaba por conhecer a sua meia-irmã Olivia, que se revela o verdadeiro caos que faltava à sua vida... Neste microcosmos da cave, Bertolucci encena a vitalidade cinematográfica da juventude, e numa belíssima cena de "barroca" intimidade mostra-nos como a tragédia dos corpos abraçados ao som da versão italiana de Space Oddity de David Bowie (Ragazzo Solo, Ragazza Sola) pode ser um espetáculo inesquecível. Obrigada, Bernardo Bertolucci.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.