Aos 71 anos, Marisol vai receber um prémio Goya

A atriz e cantora espanhola foi uma estrela internacional durante a adolescência e a juventude, nos anos 60 e 70. Pepa Flores está retirada da vida pública desde 1985.

A atriz Pepa Flores, conhecida como Marisol, vai receber um prémio Goya de Honra em 2020, anunciou a Academia Espanhola de Cinema. A instituição reconheceu as "interpretações inesquecíveis" daquela que é "uma das atrizes mais queridas e recordadas pelo público". Marisol receberá o prémio na cerimónia dos Prémios Goya marcada para 25 de janeiro, em Málaga, precisamente a cidade onde ela nasceu.

Nascida em 1948, numa família humilde, o início do mito de Marisol remonta à sua participação num grupo de coral e dança de Málaga na TVE, onde foi descoberta aos 11 anos pelo produtor e representante Manuel Goyanes. Mudou-se para Madrid e ficou a morar na casa de Goyanes. Iniciou a sua carreira cinematográfica em 1960 com o filme Um raio de Luz, de Luis Lucia, que lhe valeu um prémio de melhor atriz infantil no Festival de Veneza. Com o mesmo realizador também fez Ha Llegado un Ángel (1961), Tómbola (1962), Las Quatro Bodas de Marisol (1967) e Solo los dos (1968).

No comunicado, a Academia sublinha que Marisol foi um "fenómeno de massas dos anos 60 e 70", época em que "cantava, dançava e sorria nas populares comédias musicais que protagonizou". Aos 15 anos já era uma estrela internacional, fazia filmes e viajava para dar espetáculos, sempre lotados, onde cantava os êxitos do cinema. A menina prodígio chegou a ser convidada do programa de televisão americano Ed Sullivan Show. Fizeram uma boneca com a sua cara e o seu nome.

Mas longe dos holofotes, a sua vida não era assim tão glamorosa. Sofreu abusos físicos e sexuais. "Levavam-me a uma vivenda no Viso e havia lá pessoas importantes, pessoas do regime, para me ver nua, a mim e a outras raparigas", contou Pepa Flores a Francisco Umbral, que estava a fazer uma biografia nunca publicada da atriz e cantora.

Casou-se em 1969, quando tinha 21 anos, com Carlos Goyanes, o filho do seu empresário, e separou-se ao fim de três anos. E foi a primeira mulher a aparecer nua na capa da revista Interviú, em 1976, causando enorme escândalo. Terá sido o princípio do fim de Marisol.

Mais tarde, em 1982, casou em Cuba com o bailarino Antonio Gades, com quem teve três filhos. Os padrinhos deste casamento, uma cerimónia íntima e discreta, foram Fidel Castro e a bailarina cubana Alícia Alonso. Foi também por essa altura que se começou a interessar por política e a apoiar o partido comunista. Contracenou com Antonio Gades em Los días del passado (1978), de Mario Camus, Bodas de Sangre (1981) e Carmen (1983), ambos realizados por Carlos Saura, revelando as suas capacidades também como atriz dramática. Nestes últimos dois filmes, aliás, já não usava o nome artístico de Marisol, aparecendo na ficha técnica o seu nome verdadeiro, Pepa Flores.

"Deixar Marisol para trás foi muito difícil, especialmente para fazer as pessoas entenderem que era Pepa Flores e que o passado tinha de ser apenas passado", declarou numa entrevista à Lecturas, por ocasião do seu 60º aniversário. "Este ano, finalmente consegui assistir a um filme da Marisol, com a minha filha ao lado, e com muito prazer."

Em 1985, a atriz participou em Caso Cerrado, que foi o seu último filme, retirando-se depois da vida pública. Nos últimos anos, refugiou-se em Málaga com o companheiro Massimo Stechinni, italiano, que conheceu em 1988. Quando soube do prémio Goya afirmou apenas sentir-se "muito honrada e agradecida por este reconhecimento". Porém, a Academia já anunciou que ao contrário do que é costume, não haverá uma conferência de imprensa com o premiado deste ano.

Exclusivos