"Um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a humanidade"

Há precisamente 40 anos Neil Armstrong tornava-se o primeiro ser humano a pisar o solo de um outro mundo. Perante os olhares  da Terra inteira, o primeiro passeio lunar fez de 20 de Julho de 1969 um marco na história do século XX. O DN recorda hoje como foi esse dia

Faltavam poucos minutos para o fim do dia 20 de Julho de 1969 quando, horas depois de ter alunado o Módulo Lunar (ML) em segurança, Neil Armstrong colocava finalmente um pé sobre a superfície lunar. O mundo inteiro via o momento pela televisão, através de uma câmara instalada no exterior do veículo, transformando em imagens as primeiras discrições da paisagem feitas, horas antes, por Buzz Aldrin logo após o momento em que o ML tocara no solo.

Tinham sido tensos os momentos finais da descida. Reparando estarem longe do local previsto, e encaminhando-se para uma cratera de contornos rochosos, Neil Armstrong optara por conduzir manualmente os últimos instantes da viagem. Encontrado um local seguro, escolhido à vista, o comandante da Apollo 11 atingia o destino ao som de indicações sobre o combustível restante e as medições do altímetro. Ao avisar que a nave havia alunado (pelas 16.18), o mundo fazia a festa.

Armstrong seria, horas depois, o primeiro a pisar o solo lunar e a enunciar a frase que a história imortalizou (que dá título a esta página). Coube a Aldrin a primeira descrição da paisagem logo após a alunagem. "Parece uma colecção de todas as variedades de formas, angulosidades e granularidades", revelava. "Parece não haver cor. É cinzento, e é um cinzento muito como se fosse giz", refere ao contemplar o espaço em volta. Conta as crateras, e soma mais de cem nas imediações.

Seis horas e meia depois Armstrong descia do ML. Adrin juntava-se a ele 15 minutos depois. Nas perto de duas horas de passeio lunar efectuaram experiências científicas, tiraram fotografias e registaram observações naquele que foi a primeira visita de seres humanos a um outro mundo. E assim faziam de 20 de Julho de 1969 uma data de referência na história do século XX.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.