Windows 8.1 atualizado amanhã - saiba o que muda

A Microsoft escolheu a terça-feira dia 8 de abril para fazer duas alterações profundas no "ecosistema" Windows: Termina o suporte ao Windows XP e é lançada uma grande atualização para o Windows 8.1 que promete facilitar a vida a quem não tem computador com ecrã tátil.

O anúncio das alterações foi feito no passado dia 2 no blogue oficial do Windows e ontem foi confirmada a data do lançamento da atualiação. Esta chegará automática e gratuitamente aos utilizadores de Windows 8 através do sistema de atualização deste sistema operativo.

As principais alterações incluem:

Mais opções para o rato.

- O "novo" Windows 8.1 mantém os dois interfaces gráficos ("moderno", especialmente pensado para ecrãs táteis, e o tradicional "desktop") mas com a nova atualização todo o sistema torna-se mais fácil de utilizar com o rato. Passa mesmo a ser possivel afixar na barra de tarefas do Ambiente de trabalho ('desktop') atalhos para as apps criadas para o interface "moderno"

- Os programas "modernos" (ecrã inteiro) passam a ter no canto superior direito um "X" e um "_" para fechar ou minimizar a janela usando o rato (o sistema até agora obrigavam a arrastar toda a janela de cima para baixo)

Internet Explorer melhorado

- Com a nova versão do Windows é também atualizado o navegador da Internet da Microsoft. A mais recente versão do Internet Explorer 11 promete configurar as páginas automaticamente para o tamanho de ecrã do utilizador

Novos botões

- No ecrã Iniciar passa a estar sempre visível um botão para lançar uma busca (lupa)

- No mesmo ecrã passa a existir um botão para desligar/reiniciar o computador

Notificação de novos programas

- O ecrã iniciar passa a avisar quando novas apps estão instaladas

Arranque para o desktop

- A pensar nos utilizadores de computadores "tradicionais", passa a ser possível configurar o sistema para arrancar diretamente no Ambiente de Trabalho

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.