Microsoft anuncia novo Windows Phone baseado no Zune

Mais de dois anos depois de a Apple ter revolucionado com o seu Iphone, que combina um telefone com um iPod, a Microsoft respondeu hoje em Barcelona com um software para telemóvel que funciona como o leitor do mp4 da marca, o Zune.

O novo software foi lançado hoje em Barcelona, no Mobile World Congress 2010, e representa uma inversão em relação às anteriores versões do Windows Mobile. Mas a Microsoft vai manter-se fiel ao seu modelo, continuando a fabricar o software e a vendê-lo aos fabricantes de telemóveis em vez de passar a fazer os seus próprios aparelhos.

Horas antes da conferência destinada a apresentar o novo software, aliás, já circulavam na Internet várias fotos do novo produto do gigante informático norte-americano. Tudo porque um dos milhares de visitantes da feira de telecomunicações de Barcelona, a maior do mundo no sector, fotografou um dos cartazes que eram supostos ser mantidos em segredo até às 14:00.

Falhas de segurança aparte, a marca diz que o novo software vai estar no mercado até às férias de verão e acrescenta que, apesar das semelhanças, os telefones não vão chamar-se 'Zune phones', como se especulava no sector, e sim 'Windows phone'.

O software para telemóveis da Microsoft equipa 13,1 por cento dos smartphones vendidos nos Estados Unidos em 2009, o que representa o terceiro lugar atrás dos BlackBerry e do iPhone.

Mas a Microsoft tem vindo a perder quota de mercado, ao contrário da Apple e do Android, da Google Inc.

Tudo isto num momento em que este mercado tem vindo a ganhar cada vez mais importância. Os utilizadores usam cada vez mais os telemóveis, e os próprios aparelhos direccionam as para serviços online e anúncios potencialmente lucrativos.

Com esta nova versão, a Microsoft impõe um conjunto de características que os fabricantes têm mesmo de incluir nos Windows phones: botões fixos (seja em que marca for) para as funções 'home', 'search' e 'back', um ecrã de alta resolução com a mesma tecnologia touchscreen do iPhone, uma câmara 5-megapixel e um flash. Os teclados QWERTY em versão hardware serão opcionais.

O êxito do iPhone fez nascer uma série de modelos com ecrãs cheios de pequenos icons para os diferentes programas. Tal como tinha feito com o Zune, a Microsoft tentou evitar uma cópia desse sistema.

Em vez disso, o software centra-se em palavras em que se pode clicar e imagens que se relacionam com os conteúdos. Se se instala no ecrã inicial um programa com a meteorologia, o telefone mostra uma imagem actualizada com as condições de tempo, em vez de um ícone estático no qual tem de se clicar.

No entanto, e tal como o Zune, os utilizadores dos Windows Phone têm de navegar para baixo e para cima e para os lados para encontrarem as funções do telefone, um modelo considerado menos directo que os iPhone ou os BlackBerry.

As aplicações incluídas têm ligações ou links com os programas e serviços da Microsoft como o motor de busca Bing, nos jogos o telefone liga-se à conta da Xbox Live e permite aos utilizadores "pegarem" no jogo no sítio onde o tinham deixado na consola lá de casa.

A Microsoft também usa o Zune como 'hub' para o entretenimento, à semelhança do iPhone. E quando os utilizadores ligam o telefone a um PC, o software do Zune aparece para fazer a gestão das músicas, filmes e podcasts.

A Microsoft anunciou que está disposta a gastar centenas de milhões de dólares em marketing para garantir o sucesso deste produto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG