Samsung processa Apple por infração de patentes

A Samsung responde ao rival Apple com um novo processo, dizendo que o mais recente iPhone infringe as suas patentes. A luta pelo domínio da industria dos gadgets continua.

Segundo a agência Reuters, o gigante coreano fez chegar o processo aos tribunais norte-americanos na passada terça-feira. "Não temos escolha senão em tomar os passos necessários para proteger as nossas inovações e os nossos direitos de propriedade intelectual", disse a Samsung em comunicado. A marca antecipou ainda que irá apresentar uma moção para acrescentar o iPhone 5 à lista de contendas de infrações da Apple que existe nos tribunais.

"Com base na informação disponível, a Samsung espera que o iPhone 5 infrinja patentes, da mesma forma que os outros modelos da marca o fizeram", disse ainda a multi-nacional, sediada na Coreia.

O processo segue na sequência de outro processo judicial, imposto pela Apple, que proibiu temporariamente as venda do Galaxy tab 10.1. A Apple saiu vencedora, depois de serem provadas as infrações de patente do seu tablet em relação ao iPad.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.