Postos de carregamento já permitem dar volta a Portugal

A EDP já tem suficientes postos de carregamento de veículos eléctricos para dar a volta a Portugal, disse hoje o presidente executivo da empresa, ao dar a partida do EDP Tour Sustentável, duas semanas de volta ao país em carro eléctrico.

"Com a actual infraestrutura - já temos cerca de 350 postos de carregamento duplo, quase 700 fichas para carregar carros - conseguimos dar a volta a Portugal", garantiu António Mexia.

Com partida de Lisboa, a Volta a Portugal em carro eléctrico tem passagem por Setúbal, Portalegre, Évora, Leiria, Coimbra Aveiro, Viseu e Vila Real, entre outras localidades, num total de 13 etapas, e que termina a 13 de Abril, na sede da EDP no Porto.

O objectivo da iniciativa, disse Mexia, é aumentar a visibilidade da mobilidade eléctrica, que o presidente executivo da EDP considerou ter o potencial para revolucionar a balança comercial portuguesa.

"Portugal consome mais do que produz, e este défice externo, que é o principal problema da economia portuguesa, tem a ver com a importação de energia. A mobilidade eléctrica, que começa agora, e que ocupará os próximos 10 a 15 anos, trata de reduzir a nossa dependência do exterior", referiu.

Segundo os números oficiais, a maior fatia das importações petrolíferas portuguesas serve para alimentar as necessidades do sector dos transportes.

A iniciativa da EDP insere-se na Semana Europeia da Sustentabilidade, que tem como âmbito a eficiência energética, e coloca 24 funcionários do grupo a guiar o carro eléctrico, um pouco por todo o país.

A EDP tem na frota do grupo 12 veículos eléctricos e 39 viaturas híbridas, cinco das quais também equipadas com motor eléctrico, reduzindo assim, segundo a empresa, a emissão para a atmosfera de 3,5 toneladas de dióxido de carbono, o gás de efeito estufa causador do aquecimento global.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.