Mais de metade dos smartphones Android vulneráveis a falha que os "mata"

Todos os dispositivos Android 4.3 podem facilmente ser atacados através da plataforma de media que os equipa.

O sistema operativo mais utilizado no mundo em 'smartphones', o Android, da Google, volta a estar de fogo por questões de segurança. O laboratório de segurança informática Trend Micro descobriu uma vulnerabilidade que permite com relativa facilidade tornar um destes aparelhos inoperacionais.

A falha, que ainda não tem nome, afeta a versão 4.3 do Android, que atualmente equipa 56,8% de todos os smartphones com este sistema.

Segundo a Trend Micro, basta correr no aparelho um ficheio MKV alterado, que quando tenta ser acedido pelo sistema multimedia do aparelho faz com que este fique instável ou deixe mesmo de funcionar. Para infetar um 'smartphone' com este ficheiro bastará embebê-lo numa aplicação ou num site.

Esta nova falha surge poucos dias depois de ser conhecida a vulnerabilidade Stagefright, que afeta nada menos do que 95% dos Androids, através da qual uma simples MMS (mensagem multimedia) maliciosa enviada para o telefone permite aos piratas acederem a informação privada que estiver no aparelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.