Objectos usados por esteticistas são foco de hepatites

Os objectos usados pelas esteticistas são potenciais fontes de contágio da hepatite B ou C, alerta a associação de apoio a doentes hepáticos, que apela às pessoas para que usem o seu próprio material para evitar transmissões.

Em declarações à agência Lusa, Emília Rodrigues, da SOS Hepatites, recomenda que se evite a partilha de alicates ou corta unhas e também de outro tipo de objectos, como brincos. "Nas manicuras aconselho cada pessoa a levar de casa o seu material", vincou, lembrando que o vírus que transmite a hepatite C resiste 72 horas fora do organismo e só é eliminado a mais de 300 graus centígrados. "Numa esteticista, os alicates não aguentam 300 graus, perdem o corte", avisou. Por isso, todos os profissionais que usem material de corte, como dentistas, tatuadores, cabeleireiros, devem sempre esterilizar todos os objectos.

A hepatite B ou C é uma doença silenciosa, que não dá sintomas, e haverá muitos portugueses doentes sem o saberem. Actualmente, as crianças já são vacinadas à nascença contra a hepatite B, mas a associação reconhece que a maioria dos adultos não está imunizada. "Fazemos o alerta para a vacinação. Se nos vacinarmos todos hoje, dentro de 15/ 20 anos a doença estará erradicada", apela Emília Rodrigues. Outro dos apelos da SOS Hepatites, e que marcará o Dia Mundial da Doença, que se assinala na quinta-feira, é para o rastreio. Basta uma visita ao médico de família e uma análise de sangue. "É uma doença gravíssima. Somos cinco vezes mais do que os portadores de VIH e morremos cinco vezes mais. Vamos evitar chegar lá. A doença existe, está em Portugal. Segundo a Organização Mundial da Saúde há cerca de 300 mil pessoas que são portadoras, nós precisamos de saber quem são", afirma Emília Rodrigues.

Só no ano passado, a SOS Hepatites registou 40 mortes na sequência de cirrose e cancro provocados pelos vírus. m A Associação está também a lançar uma petição nacional, que pretende entregar no Parlamento, para criar legislação que isente os portadores de hepatite B do pagamento dos tratamentos, à semelhança do que já acontece para os portadores da C. A criação de um plano nacional das hepatites é outra das pretensões, à semelhança da instituição de testes de rastreio anónimos e gratuitos. Em Portugal não há dados de prevalência das hepatites, mas com base em projecções da Organização Mundial de Saúde estimam-se 120 mil portadores de hepatite B e 170 mil de hepatite C. Segundo o site da Associação SOS Hepatites, a hepatite é uma infecção no fígado que pode ser provocada por bactérias, por um dos sete tipos de vírus (A, B, C, D, E e G ) ou pelo consumo de produtos tóxicos como o álcool, medicamentos e algumas plantas.

A gravidade da doença é variável em função do tipo da doença e dos danos já causados ao fígado e o tratamento pode passar por mero repouso ou pode exigir uma terapia mais prolongada e complicada, que nem sempre leva à cura completa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG