Químico contra cancro da mama eficaz no cancro do pulmão

O tamoxifeno, um medicamento utilizado para o tratamento de algumas formas de cancro da mama, pode também contribuir para reduzir a mortalidade em pessoas com cancro do pulmão, segundo um estudo publicado hoje, segunda-feira, no norte-americano "The Cancer Journal" e citado pela Agência France Press.

Estudos anteriores tinham já demonstrado que as mulheres que faziam terapia hormonal com estrogénio - para reduzir os efeitos da menopausia - tinham um risco maior de morrer por câncer de pulmão. Uma vez que o tamoxifeno é um medicamento que bloqueia o estrogénio, este pode melhorar a sobrevivência em pessoas com cancro de pulmão.

Cientistas examinaram 6.655 mulheres que tiveram cancro da mama entre 1980 e 2003, segundo o registo de tumores de Genebra, das quais 3.066, ou 46%, receberam tratamento com antiestrogénios.

O estudo, coordenado por Elisabetta Rapiti, que acompanhou a saúde das mulheres até 2007, mostra que as pacientes que receberam antiestrogénios tiveram 87% menos risco de morte com cancro do pulmão que as outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.