Químico contra cancro da mama eficaz no cancro do pulmão

O tamoxifeno, um medicamento utilizado para o tratamento de algumas formas de cancro da mama, pode também contribuir para reduzir a mortalidade em pessoas com cancro do pulmão, segundo um estudo publicado hoje, segunda-feira, no norte-americano "The Cancer Journal" e citado pela Agência France Press.

Estudos anteriores tinham já demonstrado que as mulheres que faziam terapia hormonal com estrogénio - para reduzir os efeitos da menopausia - tinham um risco maior de morrer por câncer de pulmão. Uma vez que o tamoxifeno é um medicamento que bloqueia o estrogénio, este pode melhorar a sobrevivência em pessoas com cancro de pulmão.

Cientistas examinaram 6.655 mulheres que tiveram cancro da mama entre 1980 e 2003, segundo o registo de tumores de Genebra, das quais 3.066, ou 46%, receberam tratamento com antiestrogénios.

O estudo, coordenado por Elisabetta Rapiti, que acompanhou a saúde das mulheres até 2007, mostra que as pacientes que receberam antiestrogénios tiveram 87% menos risco de morte com cancro do pulmão que as outras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.