233 milhões de mulheres sem acesso à contraceção

Um número estimado de 233 milhões de mulheres em idade fértil não terão acesso a modernos métodos modernos contracetivos em 2015, mais do que as 221 milhões de 2010, segundo um estudo publicado hoje.

Excluindo a China, os países em via de desenvolvimento representam mais de 80% das mulheres sem resposta para as suas necessidades, especialmente na África subsariana, revelaram especialistas, em artigo publicado na revista científica 'The Lancet'.

O uso da contraceção pelas mulheres entre os 15 e os 49 anos tem subido nas duas décadas passadas, sustenta o trabalho.

Mas do crescimento demográfico resulta que o número total de mulheres sem acesso a meios de controlo da fertilidade vai aumentar se não existirem fundos que ajudem a minorar o problema.

Em 2010, 12,3% das mulheres em idade fértil não tiveram acesso a contracetivos, uma descida em relação aos 15,4% em 1990, de acordo com o estudo, financiado pelo departamento de População das Nações Unidas (ONU) e pela Universidade de Singapura.

Segundo os Objetivos do Milénio, os países-membros da ONU comprometeram-se a permitir "o acesso universal à saúde reprodutiva" em 2015.

No seu relatório anual dobre o Estado da População Mundial no passado mês de Novembro, a ONU sustentou que o planeamento familiar conduz a um aumento da saúde e da educação infantil, ajuda as mulheres a encontrar o seu lugar no mundo do trabalho e reduz o aborto clandestino.

Se mais 120 milhões de mulheres que pretendem contracetivos os pudessem usar em 2020, um número estimando de três milhões de crianças não morrerá no seu primeiro ano de vida.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.