Idade de glóbulos vermelhos ligada a doenças cardiovasculares

Um grupo de investigadores portugueses concluiu que a idade dos glóbulos vermelhos está ligada ao risco de doenças cardiovasculares, descoberta que poderá contribuir para o desenvolvimento de tratamentos preventivos.

"Investigadores do Instituto de Medicina Molecular (IMM), em Lisboa, publicam esta semana na revista PLoS ONE um estudo que recorre às nanotecnologias para perceber a relação entre a idade dos glóbulos vermelhos (eritrócitos) e a tendência para a sua excessiva agregação, um factor de risco cardiovascular", revela o IMM num comunicado hoje divulgado.

A investigação sugere que "serão os glóbulos vermelhos jovens que mais contribuem para as doenças cardiovasculares associadas à excessiva agregação destas células do sangue".

O estudo descreve especificamente a interacção entre o fibrinogénio, uma proteína do plasma sanguíneo, e os glóbulos vermelhos.

"O fibrinogénio é uma proteína de agregação que se pensa ser o principal responsável pela agregação de glóbulos vermelhos, e que pode desta forma dificultar a circulação sanguínea (caso exista em níveis elevados)", refere a nota do IMM.

No estudo, os investigadores descrevem detalhes moleculares que mostram que "o fibrinogénio se liga melhor a glóbulos vermelhos jovens, quando comparados com glóbulos menos jovens".

Os resultados do trabalho dos investigadores são, de acordo com o comunicado, "relevantes, pois um conhecimento aprofundado sobre estes mecanismos moleculares poderá contribuir para o desenvolvimento de novos tratamentos que actuem na prevenção de patologias vasculares, tais como na hipertensão arterial ou enfarte agudo do miocárdio".

As doenças cardiovasculares são a primeira causa de morte em Portugal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG