Maior expedição às Berlengas arranca amanhã

A maior expedição de cientistas dos últimos 20 anos à ilha das Berlengas, ao largo de Peniche, parte na segunda-feira a bordo do navio 'Creoula', na expetativa de até ao dia 30 caracterizar a biodiversidade marinha existente.

A campanha é promovida pela Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), envolvendo cerca de 80 pessoas, entre mergulhadores, investigadores e estudantes universitários que, repartidos em dois grupos, vão fazer a cartografia e caracterização de espécies e habitats.

"Nas Berlengas há muito por conhecer. Têm sido feitos estudos muito localizados, mas não existe um conhecimento extensivo do que existe e existe essa falta de informação relativamente a um território tão rico em biodiversidade como as Berlengas", disse à agência Lusa Frederico Dias, coordenador do projeto 'M@rbis' na EMEPC.

O investigador lembrou que o arquipélago das ilhas das Berlengas é onde se concentra a maior diversidade de espécies da costa atlântica portuguesa, por beneficiar da proximidade ao Canhão da Nazaré e, por isso, beneficiar de condições especiais em termos de correntes marítimas, e por estar na fronteira entre as águas mais frias e mais quentes.

"O melhor que poderá acontecer, e há uma probabilidade elevada, é descobrirmos uma nova espécie para a ciência ou, pelo menos, observar espécies já conhecidas pela ciência mas que nunca foram observadas nas Berlengas", explicou.

As três ilhas, que compõem o arquipélago, possuem cerca de 400 espécies diferentes, entre peixes, esponjas, algas, gorgónias (espécie de corais) e outros organismos, como ouriços e estrelas-do-mar. "Finda a expedição, estamos à espera de aumentar esse número", frisou.

Os estudos vão ser feitos através de mergulhos a 35 metros de profundidade, sendo os cientistas acompanhados por mergulhadores para garantir todas as condições de segurança.

A comitiva vai estar até ao dia 30 a bordo do navio da Marinha 'Creoula', um antigo bacalhoeiro, que entre 1937 e 1973 participou em campanhas à Terra Nova, reconvertido pela Marinha nos anos 80 como navio-museu e de apoio ao treino militar.

A EMEPC tem vindo a realizar expedições idênticas desde 2010, ano em que o território a ser estudado foi as ilhas Selvagens (Madeira), enquanto em 2011 foram as Desertas, também nas regiões autónomas, no âmbito do 'M@rbis', um sistema que reúne informação georeferenciada da biodiversidade marinha nacional, destinada a cumprir os objetivos da União Europeia de alargar a Rede Natura 2000 ao meio marinho, nas águas sob jurisdição portuguesa.

Exclusivos