Vida poderá encontrar-se perto de estrelas moribundas

Estrelas a morrer podem ter planetas com vida na sua órbita, aponta um estudo do Centro de Astrofísica (CfA, sigla em inglês) da Universidade de Harvard. Os cientistas acreditam que, se tal vida existir mesmo, poderão detetá-la na próxima década.

Segundo os investigadores, as buscas deverão concentrar-se em estrelas que estão a morrer, as anãs brancas. Eles acreditam que será muito mais fácil detetar oxigénio na atmosfera de um planeta a orbitar uma anã branca do que num planeta a orbitar uma estrela semelhante ao Sol.

"Na busca por evidências biológicas extraterrestres, as primeiras estrelas a ser estudadas devem ser as anãs brancas", disse Avi Loeb, teórico do CfA.

Quando uma estrela como o Sol morre, ela ejeta as suas camadas externas, deixando um núcleo quente, que é chamado de anã branca. O seu tamanho típico é semelhante ao da Terra, mas praticamente com a mesma massa da estrela que lhe dá origem. Ela arrefece aos poucos e desaparece com o tempo, mas pode reter o calor suficiente para aquecer um planta ao seu redor por milhares de milhões de anos.

Como uma anã branca é muito menor e mais fraca do que o Sol, um planeta teria de estar muito mais próximo dela para ser habitável, ter água líquida na sua superfície. Tal planeta daria uma volta a cada 10 horas da estrela que orbita.

Mas, antes de uma estrela se tornar uma anã branca, ela incha, dando origem a uma gigante vermelha, e 'engole' os planetas próximos. Assim, o planeta onde se espera encontrar vida deveria ter entrado na zona habitável da estrela só depois de ela se tornar uma anã branca. O planeta poderia ser formado a partir dos restos de poeira e gás (conhecido como de segunda geração), ou migrar para perto da estrela vindo de uma distância maior.

A abundância de elementos pesados na superfície das anãs brancas sugere que uma fração significativa delas têm planetas rochosos. Loeb e o seu colega Dan Maoz, da Universidade de Tel Aviv, estimam que um estudo das 500 anãs brancas mais próximas da Terra poderá detetar um ou mais planetas habitáveis.

Para os investigadores, o melhor método para encontrar tais planetas é procurar um trânsito, uma estrela que escurece quando um planeta na sua órbita passa na sua frente. Uma vez que uma anã branca tem aproximadamente o mesmo tamanho da Terra, um planeta como o nosso pode bloquear muito da sua luz e emitir assim um sinal claro da sua existência.

Apenas as atmosferas dos planetas em trânsito podem ser estudadas, segundo os cientistas. Quando a luz da anã branca brilha através do anel de ar que circunda a silhueta do planeta, a sua atmosfera absorve parte da luz da estrela e assim pode-se observar os traços químicos que mostram se o ar contém vapor de água ou até mesmo condições propícias para a vida como a conhecemos, como o oxigénio.

Os astrónomos estão particularmente interessados na busca de oxigénio, porque o oxigénio na atmosfera da Terra é constantemente reabastecido, através da fotossíntese, pela vida vegetal. Se a vida cessar na Terra, a atmosfera perderia rapidamente o oxigénio, que seria dissolvido nos oceanos e oxidaria a superfície. Assim, a presença de grandes quantidades de oxigénio na atmosfera de um planeta distante poderia sinalizar a possível presença de vida.

O Telescópio Espacial James Webb (JWST, sigla em inglês), da NASA, previsto para ser lançado no final desta década, pode ser uma ferramenta definitiva para a deteção dos gases presentes em tais planetas. Loeb e Maoz criaram uma simulação que replica o que o telescópio seria capaz de ver ao observar um planeta habitável na órbita de uma anã branca. Eles descobriram que tanto oxigénio como vapor de água seriam detetáveis com apenas algumas horas de observação. O "JWST oferece a melhor esperança de encontrar um planeta habitado num futuro próximo", diz Maoz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.