Uma fórmula matemática para estimar a felicidade

Investigadores britânicos usaram um jogo que envolvia, tarefas, expectativas e recompensas e fizeram ressonância magnética funcional para registar atividade cerebral dos sujeitos. O segredo, diz a equipa, está nas expectativas

A felicidade, já se sabia, é uma equação difícil. Filósofos, poetas e artistas perseguiram a sua definição e alguns terão chegado perto. Gandhi, por exemplo, dizia que não havia um caminho para a felicidade, mas que ela era o próprio caminho, e Shakespeare tocou a verdade, quando disse que o ser humano tende a sofrer pelo pouco que lhe falta e a desfrutar pouco do muito que tem. São as expectativas, diz um grupo de investigadores britânicos, entre neurocientistas, psiquiatras e especialistas em computação, que utilizou uma abordagem experimental e chegou a uma fórmula matemática que, diz a equipa, consegue estimar "a noção de bem-estar subjetivo, ou felicidade", de alguém. O jogo de forças entre expectativas e recompensas é uma das chaves.

Para chegar às sua longa e complexa equação (em cima), a equipa, que foi coordenada por Robb Rutledge, da University College, de Londres, avaliou um conjunto de 26 pessoas que tinham de realizar uma série de tarefas que envolviam decisões, expectativas sobre essas decisões e também consequências, que podiam ou não ir ao encontro das expectativas.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.