"Um pequeno passo para um homem, um salto gigantesco para a humanidade"

Há precisamente 40 anos Neil Armstrong tornava-se o primeiro ser humano a pisar o solo de um outro mundo. Perante os olhares  da Terra inteira, o primeiro passeio lunar fez de 20 de Julho de 1969 um marco na história do século XX. O DN recorda hoje como foi esse dia

Faltavam poucos minutos para o fim do dia 20 de Julho de 1969 quando, horas depois de ter alunado o Módulo Lunar (ML) em segurança, Neil Armstrong colocava finalmente um pé sobre a superfície lunar. O mundo inteiro via o momento pela televisão, através de uma câmara instalada no exterior do veículo, transformando em imagens as primeiras discrições da paisagem feitas, horas antes, por Buzz Aldrin logo após o momento em que o ML tocara no solo.

Tinham sido tensos os momentos finais da descida. Reparando estarem longe do local previsto, e encaminhando-se para uma cratera de contornos rochosos, Neil Armstrong optara por conduzir manualmente os últimos instantes da viagem. Encontrado um local seguro, escolhido à vista, o comandante da Apollo 11 atingia o destino ao som de indicações sobre o combustível restante e as medições do altímetro. Ao avisar que a nave havia alunado (pelas 16.18), o mundo fazia a festa.

Armstrong seria, horas depois, o primeiro a pisar o solo lunar e a enunciar a frase que a história imortalizou (que dá título a esta página). Coube a Aldrin a primeira descrição da paisagem logo após a alunagem. "Parece uma colecção de todas as variedades de formas, angulosidades e granularidades", revelava. "Parece não haver cor. É cinzento, e é um cinzento muito como se fosse giz", refere ao contemplar o espaço em volta. Conta as crateras, e soma mais de cem nas imediações.

Seis horas e meia depois Armstrong descia do ML. Adrin juntava-se a ele 15 minutos depois. Nas perto de duas horas de passeio lunar efectuaram experiências científicas, tiraram fotografias e registaram observações naquele que foi a primeira visita de seres humanos a um outro mundo. E assim faziam de 20 de Julho de 1969 uma data de referência na história do século XX.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".