Primeira planta que deu flor era da Península Ibérica

Nova análise de fósseis descobertos nos Pirenéus permitiu descobrir estruturas que tinham passado despercebidas

Tem 125 a 130 milhões de anos, é provavelmente uma das primeiras plantas com flor que existiu no planeta e existiu muito por cá, na Península Ibérica. A reinterpretação de um conjunto de fósseis descobertos aqui, na região dos Pirenéus, permitiu agora a um grupo de investigadores espanhóis, franceses, alemães e dos Estados Unidos descobrir o rasto a essa primeira e mítica planta floral. O estudo foi publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

Designada Montsechia vidalii pelos botânicos, a planta era aquática e muito abundante, sobretudo, nos Pirenéus. Já se conheciam inúmeros fósseis da planta, muitos deles descobertos há cerca de cem anos, justamente, na parte ibérica daquela cadeia montanhosa, mas o seu alcance científico não estava bem avaliado. Por causa disso, era uma outra planta, a Archaefructus, oriunda da China a que até agora era considerada uma das primeiras plantas com flor.

O novo estudo, que foi coordenado por Bernard Gomez, da universidade francesa de Lyon e por David Dilcher, da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, fez uma reanálise dos fósseis encontrados nos Pirenéus, com tecnologias avançadas de estereoscopia, microscopia de luz e microscopia eletrónica, e isso permitiu observar nos fósseis a presença de estruturas que só estão presentes em plantas que dão flor e que tinham passado despercebidas em anteriores estudos dos fósseis.

"A primeira flor é tecnicamente um mito, é como o primeiro ser humano, mas graças a este trabalho sabemos agora que a Montsechia é pelo menos contemporânea, se não mais antiga ainda que a Archaefructus", afirma David Dilcher, citado num comunicado da sua universidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?