Peixe finge-se homossexual para atrair as fêmeas

A tendência homossexual no mundo animal constitui um fenómeno universal manifestado por várias espécies. Sabe-se agora que este comportamento não acontece ao acaso: o comportamento homossexual dos machos é, muitas vezes, uma estratégia para atrair as fêmeas.

Os dados resultam de um estudo realizado pela 'Royal Society' britânica, publicado na revista 'Biology Letters'. De acordo com o mesmo, ao contrário do que se poderia pensar, no mundo animal, quando dois elementos do mesmo sexo se juntam, aumentam as probabilidades de virem a ter uma relação heterossexual com um outro membro da sua espécie, diz o 'site' do jornal espanhol 'ABC'.

Não sendo fácil seduzir quando se é pequeno e frágil, o 'Molly', também conhecido por 'Molinésia Negra', um pequeno peixe tropical mexicano de água doce, envolve-se em atividades homossexuais para atrair as fêmeas da sua espécie e se assumir como um potencial parceiro, diz a AFP.

À semelhança do que acontece com os humanos, também no mundo animal as fêmeas têm tendência a escolher os seus companheiros atendendo a critérios sociais e vínculos que estabelecem com os seres que os rodeiam. Quando um macho é desejado por várias companheiras torna-se inevitavelmente mais atrativo, tendência que ocorre com quase todas as espécies, diz o 'ABC'.

Um estudo desenvolvido com vários exemplares de poecilia mexicana (peixes de água doce) demonstrou que os que exibiam comportamentos homossexuais atraiam mais as fêmeas do que os peixes heterossexuais. Os cientistas do departamento de ecologia e evolução da Universidade de Frankfurt selecionaram várias espécies de peixes recolhidos na cidade de Tampico, norte do México, e mantiveram-os num laboratório a fim de que todos partissem de uma mesma situação inicial, diz o 'ABC'.

Em geral observou-se que os exemplares vivíparos de pequeno porte e pouco vistosos, eram os que demonstravam uma maior tendência a comportamentos homossexuais. Os mais apelativos e coloridos, preocupavam-se mais em rondar as fêmeas tentando impedir os outros de ter acesso a elas. Como quase todas preferiam os peixes mais atrativos, os de pequeno porte eram obrigados a agir como homossexuais para se destacarem. A partir do momento em que o faziam, deixavam de ser 'invisíveis', e conseguiam assim chamar a atenção. Conclui-se então que estes comportamentos são uma estratégia para atrair potenciais companheiras, diz o mesmo jornal.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.