NASA diz não haver provas de vida extreterrestre em meteoritos

Agência espacial americana não apoia resultados do seu astrobiólogo Richard Hoover

A NASA demarcou-se oficialmente do estudo do seu cientista Richard Hoover que afirmou ter encontrado vestígios fósseis de vida extraterrestre em meteoritos, num artigo na revista on line Journal of Cosmology.

Na declaração oficial, pela voz do director científico da NASA, Paul Herz, a agência espacial americana diz não poder apoiar uma afirmação científica que não foi exaustivamente avaliada por outros especialistas qualificados. "Esse artigo foi submetido em 2007 ao International Journal of Astrobiology mas o processo de avaliação por especialistas independentes nunca foi concluído", afirma Paul Herz, sublinhando que "a NASA desconhecia esta recente submissão ao Journal of Cosmology, bem como a sua subsequente publicação".

Richard Hoover estudou um grupo de meteoritos raros do tipo condritos carbonáceos que contêm carbono e água, e analisou o seu interior ao microscópio electrónico, tendo ali encontrado estruturas tubulares e filamentosas que afirma serem fósseis de bactérias extraterrestres.

As críticas no meio científico não se fizeram esperar. Uma delas refere a forte possibilidade de contaminação da amostra, e nota que Hoover não descreve como deveria as condições de acondicionamento dos meteoritos, que já caíram há mais de cem anos na Terra.

"Não conheço nenhum outro especialista em meteoritos que tenha apoiado estas afirmações extraordinárias", afirmou por seu turno à AFP o director do Instituto de Astrobiologia da NASA, Carl Pilcher. A explicação mais simples, conclui este astrobiólogo, é que "houve contaminação dos meteoritos por micróbios terrestres".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.